Por Esmael Morais

Deputado Genoino, o 1!º preso político em pleno Estado Democrático de Direito, se entrega à  PF

Publicado em 15/11/2013

A ordem de prisão contra deputado Genoino partiu do presidente do Supremo Tribunal Federal, Joaquim Barbosa, que tem pressa em mandar para a cadeia os réus do mensalão; para pressionar o STF, Veja estampou na capa que o sol nasce quadrado para José Genoino, José Dirceu e Delúbio Soares; deputado Genoino é o primeiro preso político em pleno Estado Democrático de Direito.

A ordem de prisão contra deputado Genoino partiu do presidente do Supremo Tribunal Federal, Joaquim Barbosa, que tem pressa em mandar para a cadeia os réus do mensalão; para pressionar o STF, Veja estampou na capa que o sol nasce quadrado para José Genoino, José Dirceu e Delúbio Soares; deputado Genoino é o primeiro preso político em pleno Estado Democrático de Direito.

O deputado federal José Genoino (PT-SP) recebeu ordem de prisão e já se apresentar à  Polícia Federal (PF) na tarde desta sexta (15).

A ordem de prisão contra o petista partiu do presidente do Supremo Tribunal Federal (STF), Joaquim Barbosa, que tem pressa em mandar para a cadeia os réus do mensalão.

Hoje, com o objetivo de ordenar o STF, a revista Veja estampou na capa que o sol nasce quadrado para José Genoino, José Dirceu e Delúbio Soares.

Por volta das 16h10, a PF recebeu ordem de prisão contra os demais 12 réus da AP 470.

Genoino é o primeiro preso político em pleno Estado Democrático de Direito. Barbosa também mandou prender o ex-ministro José Dirceu.

O parlamentar do PT distribuiu a seguinte nota à  imprensa:

Com indignação, cumpro as decisões do Supremo Tribunal Federal e reitero que sou inocente, não tendo praticado nenhum crime. Eu fui condenado porque estava exercendo a presidência do PT. Do que me acusam, não existem provas. O empréstimo que avalizei foi registrado e quitado. Fui condenado previamente numa operação midiática inédita na história do Brasil. E me julgaram num processo marcado por injustiças e desrespeito à s regras do estado democrático de direito. Por tudo isso, considero-me um preso político. Aonde for e quando for defenderei minha trajetória de luta permanente por um Brasil mais justo, democrático e soberano”.