Por Esmael Morais

Câmara libera internet na pré-campanha eleitoral de 2014

Publicado em 23/10/2013

Este blogueiro realizou palestra no 3!º Congresso Estadual da Nova Central Sindical dos Trabalhadores (NCST), seção Paraná, na segunda (21), sobre a importância estratégica das redes sociais nas mobilizações populares e políticas; ontem, a Câmara aprovou na minirreforma a liberação da internet nas pré-campanhas eleitorais; classe trabalhadora almeja maior participação no parlamento em 2014; presidente Denílson Pestana foi reeleito na NCST e é virtual candidato a deputado federal da entidade.

Este blogueiro realizou palestra no 3!º Congresso Estadual da Nova Central Sindical dos Trabalhadores (NCST), seção Paraná, na segunda (21), sobre a importância estratégica das redes sociais nas mobilizações populares e políticas; ontem, a Câmara aprovou na minirreforma a liberação da internet nas pré-campanhas eleitorais; classe trabalhadora almeja maior participação no parlamento em 2014; presidente Denílson Pestana foi reeleito na NCST e é virtual candidato a deputado federal da entidade.

A Câmara aprovou ontem projeto da lei da minirreforma eleitoral. Quase passou despercebida. Na essência, as medidas adotadas mais auxiliam quem está no exercício do mandato do que disciplina e dá igualdade de competição para quem está de fora do parlamento.

Entretanto, no meio daquela inutilidade, eis que uma coisa merece destaque: o texto aprovado libera a pré-campanha na internet e nos demais meios de comunicação ao permitir a participação de filiados a partidos políticos ou de pré-candidatos em entrevistas, programas, encontros ou debates no rádio, na televisão e na internet, com exposição de plataformas e projetos políticos.

Na segunda (21), em Foz do Iguaçu, falei sobre o tema para cerca de 300 lideranças sindicais durante o 3!º Congresso Estadual da Nova Central Sindical dos Trabalhadores (NCST).

As redes sociais serão fundamentais no planejamento das campanhas eleitorais de 2014, haja vista a quantidade de restrições impostas a outras formas de propaganda (faixas, cavaletes, bonecos, placas, etc.).

A minirreforma eleitoral promove uma série de alterações na legislação como a limitação de propaganda em bens particulares, fixa tetos para gastos com alimentação e aluguel de carros para campanhas, além de alterar normas para a propaganda na TV e na internet e simplificar a prestação de contas dos partidos políticos.