Os russos esperam emagrecer com suspensão da Coca-Cola e McDonald’s

Existe mal que vem para bem? Os russos acreditam que sim.

O país de Valdimir Putin, que incorporou hábitos alimentares ocidentais, desde a Perestroika, nos anos 90, vê as vantagens da suspensão da Coca-Cola e MacDonald’s – dentre outras empresas de cola e hambúrgueres.

Os russos acreditam que podem emagrecer e melhorar os hábitos alimentares com as sanções estrangeiras.

Imprensa russa repercute admiração de Bolsonaro por Putin

Cadeias de restaurantes e fornecedores de alimentos estrangeiros estão seguindo os passos de outras indústrias, começando a anunciar a suspensão de suas operações na Rússia.

Isso está ocorrendo em meio à operação especial da Rússia na Ucrânia e novas sanções ocidentais contra Moscou.

A agência de notícias russas TASS reuniu os destaques das decisões de empresas estrangeiras. Confira:

Comida rápida

– A empresa norte-americana McDonald’s anunciou planos para fechar temporariamente todos os seus 850 restaurantes na Rússia. Mas eles continuam funcionando, e a linha direta russa não conseguiu esclarecer quando a decisão de suspender as operações entrará em vigor. A empresa prometeu continuar a pagar salários aos funcionários russos, que somam um total de 62.000 pessoas.

– A empresa americana Yum! A Brands, dona das redes KFC e Pizza Hut, suspendeu os investimentos na Rússia e não planeja novas inaugurações. Os pontos de venda administrados pela empresa, ao invés de franquias, vão suspender o trabalho.

Resumo 14º dia guerra Rússia-Ucrânia

– A rede de restaurantes de fast food Burger King negou as especulações de que estava deixando a Rússia. A empresa disse que continuará trabalhando no país, abrirá novos restaurantes em 2022 e “ainda considera o país como um de seus mercados estratégicos”. As dificuldades com o fornecimento de alguns ingredientes são temporárias e não críticas, disse a empresa.

– A Starbucks, com sede nos EUA, encerrará por enquanto sua operação na Rússia, incluindo suprimentos de alimentos.

Bebidas não alcoólicas

– The Coca-Cola Company, que produz bebidas não alcoólicas, interromperá temporariamente o trabalho na Rússia. Possui 10 fábricas de engarrafamento em todo o país.

– A PepsiCo não venderá bebidas por enquanto, incluindo 7Up e Mirinda, e comprará publicidade na Rússia. A empresa continuará a vender produtos essenciais, como fórmulas infantis e produtos lácteos. A PepsiCo apoiará 20.000 de seus funcionários na Rússia e 40.000 trabalhadores na indústria agrícola que estão envolvidos em suprimentos.

Bebidas alcoólicas

– A Heineken está suspendendo as exportações de cerveja e projetos de investimento na Rússia. A produção e venda de cerveja sob a marca Heineken serão temporariamente interrompidas. Ao mesmo tempo, as fábricas russas da Heineken, assim como as divisões operacionais e comerciais, não estão sendo fechadas. A Heineken, cujo portfólio inclui marcas como Amstel, Okhota e outras, possui sete cervejarias na Rússia. A empresa também se recusou a receber lucro das atividades operacionais de sua divisão russa. A empresa disse que o cuidado com os funcionários continuará sendo sua prioridade.

Paulo Guedes na Rússia

– A Carlsberg, dona das marcas Tuborg, Holsten e Kronenbourg, também está desistindo de novos investimentos na Rússia e das exportações de produtos de outras divisões para a Baltika russa. A empresa dinamarquesa garantiu que está “se esforçando para apoiar os funcionários”. A Baltika vai adaptar processos e planos às novas mudanças.

– A Diageo, maior produtora de bebidas alcoólicas do mundo, dona de marcas como Guinness, Baileys, Captain Morgan e outras, suspendeu o fornecimento para a Rússia.

Comida

– O fabricante finlandês de laticínios Valio decidiu encerrar seu trabalho na Rússia. A empresa possui uma fábrica perto de Moscou, que emprega 400 pessoas. Se ele apoiará seus funcionários não foi relatado.

– A produtora de café Paulig, com sede na Finlândia, também anunciou sua saída da Rússia, mas não disse o que acontecerá com os 200 funcionários de sua planta na região de Tver.

– A empresa finlandesa Fazer, que produz chocolate e produtos de panificação, parou de trabalhar na Rússia. As empresas da empresa em Moscou e São Petersburgo empregam 2.300 pessoas.

– A empresa britânica de tabaco Imperial Brands, que produz as marcas Davidoff, Richmond e Gitanes, interromperá temporariamente as vendas, fabricação e publicidade de seus produtos na Rússia. Os funcionários russos continuarão sendo pagos. A empresa tem uma fábrica em Volgogrado.

– A empresa francesa de alimentos Danone disse que permanecerá no mercado russo. A empresa pretende continuar a fornecer alimentos aos consumidores e pacientes.

O que acontece com os funcionários?

– Se a empresa parou ou suspendeu o trabalho, o empregador é obrigado a continuar pagando os funcionários, disse Alexander Shershukov, vice-chefe da Federação dos Sindicatos Independentes da Rússia (FNPR). Ele disse que quando os trabalhadores são demitidos, eles devem receber um aviso de acordo com a lei russa. Se os direitos das pessoas forem violados, o sindicato da empresa poderá defendê-los. Uma pessoa também pode fazer isso por conta própria, entrando em contato com os serviços de direitos trabalhistas do governo ou levando o assunto ao tribunal.

– O desemprego não deve aumentar no segmento de restaurantes, disse Sergey Mironov, presidente do Sindicato dos Gerentes de Restaurantes da Rússia e ombudsman do negócio de restaurantes em Moscou, à TASS. Os funcionários do McDonald’s tentarão conseguir empregos em outros lugares em um mercado de trabalho com escassez de mão de obra, disse ele. Ele também explicou que seria um desafio para a rede de fast-food KFC deixar completamente a Rússia, já que a maioria de seus pontos de venda opera como franquias.