Lula sobe, Bolsonaro estaciona – diz pesquisa PoderData

Nova rodada da pesquisa PoderData divulgada nesta quarta-feira (25/05) aponta subida discreta do ex-presidente Lula em relação à sondagem de duas semanas atrás. O petista tinha 42% das intenções de voto, agora ele tem 43%, enquanto o presidente cessante Jair Bolsonaro continuou estacionado em 35%.

O ex-ministro Ciro Gomes também ficou parado no tempo, segundo o levantamento da PoderData. Ele tinha 5% na rodada em 10 de maio e manteve esse índice na de hoje.

Janones igualmente permaneceu com 3%, bem como Simone Tebet, com 2%.

O ex-governador João Doria, que desistiu na segunda-feira (23/05), derreteu de 4% para 1%.

Eymael e Bivar oscilaram positivamente para 1%, enquanto os demais pré-candidatos presidenciais não pontuaram na pesquisa.

Confira os números da pesquisa PoderData:

Primeiro turno estimulada 22 a 24 de maio:

► Lula (PT): 43%
► Bolsonaro (PL): 35%
► Ciro (PDT): 5%
► Janones (Avante): 3%
► Tebet (MDB): 2%
► Doria (PSDB): 1%
► Eymael (DC): 1%
► Bivar (União): 1%

► Brancos/Nulos: 3%
► Não sabe: 7%

A pesquisa PoderData foi realizada entre os dias 22 e 24 de maio de 2022, por meio de ligações para celulares e telefones fixos. Foram ouvidos 3.000 eleitores em 301 municípios nas 27 unidades da Federação. A margem de erro é de 2 pontos percentuais. O intervalo de confiança é de 95%. O registro no TSE é BR-05638/2022.

De acordo com a sondagem, Lula lidera entre as mulheres, os mais jovens, os mais pobre, os menos escolarizados e moradores do Nordeste e Sudeste.

Bolsonaro, por sua vez, vence entre os homens, na regiões Centro-Oeste e Norte, entre os que ganham mais de cinco salários mínimos.

Veja também  Lula recebe propostas de trabalhadores na sede da CUT; assista ao vivo

No segmento religioso, Bolsonaro lidera entre os evangélicos com 46% ante 33% de Lula.

No entanto, Lula está na frente entre os católicos, com 44%, enquanto Bolsonaro tem 35%.

Se a eleição avançar para o segundo turno, ainda de acordo com a PoderData, Lula vence por 50% a 39% de Bolsonaro.