Clima extremo no Brasil durante as férias de dezembro e janeiro

O Brasil enfrenta há meses uma onda de calor extremo, associada ao fenômeno climático El Niño, que altera o padrão de chuvas no país.

As altas temperaturas têm impactado diversos setores da sociedade, incluindo o turismo, o consumo de energia e a economia como um todo.

O clima extremo tem afetado o turismo de diversas maneiras.

As altas temperaturas têm afastado turistas de regiões tradicionalmente quentes, como o Nordeste, e as chuvas intensas têm causado transtornos e cancelamentos de viagens em outras regiões, como o Sudeste.

>>Alerta Vermelho: onda de calor em Curitiba e Paraná

Além disso, a seca em algumas áreas do país tem reduzido a atratividade de destinos turísticos naturais, como parques nacionais e cachoeiras.

Economia

As altas temperaturas têm levado a um aumento significativo no consumo de energia elétrica no Brasil.

Isso ocorre porque as pessoas utilizam mais aparelhos de ar-condicionado e refrigeração para se refrescar.

O aumento da demanda por energia pode levar a sobrecargas na rede elétrica e a apagões.

O clima extremo também tem impactado a economia brasileira de outras maneiras.

As secas têm prejudicado a produção agrícola, o que pode levar a aumentos nos preços dos alimentos.

Além disso, os eventos climáticos extremos, como inundações e tempestades, podem causar danos à infraestrutura e às propriedades, o que gera custos para o governo e para as empresas.

De acordo com as previsões do Instituto Nacional de Meteorologia (Inmet), o clima extremo deve continuar afetando o Brasil durante os meses de dezembro e janeiro.

>>Calor extremo provoca apagões e deixa torneiras sem água | Privatiza que melhora?

As temperaturas devem permanecer acima da média em grande parte do país, e as chuvas devem ser intensas em algumas regiões.

É importante que as pessoas estejam preparadas para enfrentar o clima extremo durante as férias.

É recomendável evitar viagens para regiões onde há previsão de chuvas intensas ou temperaturas extremas.

Além disso, é importante economizar energia elétrica e adotar medidas para se refrescar sem utilizar aparelhos de ar-condicionado, como tomar banhos frios e vestir roupas leves.

Para os próximos dias, são previstas temperaturas máximas maiores que 34°C em grande parte do País, podendo ultrapassar os 36°C em áreas das Regiões Norte, Nordeste e Centro-oeste.

No oeste do Paraná, as temperaturas podem se elevar no decorrer da semana.

No dia 9 de dezembro, as temperaturas máximas podem ultrapassar 34°C no centro e norte do País, sendo superiores a 38°C em áreas do Pará, Tocantins, Bahia, Minas Gerais, Goiás e Mato Grosso.

No centro-sul, os valores de temperatura serão inferiores a 32°C.

Região Sul com previsão de temporais

Segundo o Inmet, os temporais continuam no decorrer da semana devido a atuação de uma massa de ar quente e úmida, que podem vir acompanhadas de raios, rajadas de ventos e possíveis queda de granizo.

Os maiores acumulados podem ultrapassar os 70 mm em áreas centro-oeste da Região Sul, que compreende Paraná, Santa Catarina e Rio Grande do Sul.

A previsão é de acumulados de chuvas maiores que 30 mm no Rio Grande do Sul e Paraná.

Em Santa Catarina, previsão de pouca chuva.

>>Início da primavera e fim do inverno em Curitiba com calor extremo

Há previsão de chuva entre os dias 12 e 20 de dezembro.

Em relação às temperaturas mínimas, podem ser inferiores a 20°C em áreas do Sul do País, principalmente, no Rio Grande do Sul e Santa Catarina.

No entanto, em áreas do Mato Grosso e Mato Grosso do Sul, as mínimas podem ser superiores a 26°C.

As temperaturas ficam mais amenas a partir do dia 8 de dezembro na Região Sul.

No dia 9 de dezembro, do litoral do Nordeste até a Região Sul, os valores de temperaturas mínimas poderão ser inferiores a 22°C, com valores ainda menores que 18°C em áreas do Rio Grande do Sul e Santa Catarina.

Aqui tem um relatório completo do Inmet para o clima nos próximos dias de dezembro.