WhatsApp caiu e Bolsonaro pensa dar "férias coletivas" para gabinete do ódio

WhatsApp caiu e Bolsonaro pensa dar “férias coletivas” para gabinete do ódio

O WhatsAPP sofre colapso global nesta segunda-feira (04/10) desde as 12h30. A empresa ainda não sabe o que ocorreu.

Além do WhatsApp, Facebook e Instagram também estão fora do ar.

As três aplicações de internet pertencem ao empresário americano Mark Zuckerberg.

No Brasil, a piada é que Bolsonaro pensa dar “férias coletivas” para o gabinete do ódio.

Por algumas horas, a indústria de fake news ficou paralisada no Palácio do Planalto e na velha mídia corporativa.

“Whatsapp fora do ar: Carluxo e Jair Bolsonaro sem expediente”, disse Guilherme Boulos, líder do MTST e pré-candidato do PSOL ao governo de São Paulo.

O deputado Alexandre Padilha (PT-SP) observou que bolsonaristas estão há quase 4 horas sem espalhar fake news. “Mark [Zuckerberg] já fez mais pela democracia no Brasil do que Guedes fez pela economia brasileira”, comparou.

A desgraça de um, é alegria de outro.

O ex-presidente Lula tirou uma casquinha do apagão nas redes sociais de Zuckerberg: “WhatsApp fora do ar?!”, disse o petista. “Bom dia! Comece a semana fortalecendo nosso canal no Telegram!”, convocou.

Bem-vindo à verdade, bem-vindo ao Blog do Esmael.

Leia também

Bolsonaro propõe projeto que limita remoção de conteúdos em redes sociais

Folha de S. Paulo exalta censura e limitação ao acesso à informação na volta ao Facebook

CPI da Covid planeja banir perfis de Bolsonaro no Facebook e YouTube