Alberto Fernández, presidente da Argentina, testou positivo para coronavírus

  • Presidente argentino havia recebido a primeira dose da vacina Sputnik V em janeiro

O presidente Alberto Fernández testou positivo para coronavírus. Ele próprio se comunicou por meio de sua conta no Twitter, em publicação na qual explicou que está isolado e que está bem fisicamente.

O presidente apresentou sintomas de covid-19 na sexta-feira (2/4), dia em que completou 62 anos. “Queria dizer que no final de hoje, depois de apresentar um recorde de febre de 37,3 e uma leve dor de cabeça, fiz um teste de antígeno cujo resultado foi positivo”, disse ele minutos após a meia-noite no Twitter.

Após esse primeiro teste, o presidente realizou uma PCR para confirmar o diagnóstico. Em sua postagem ele explicou que enquanto espera por aquele segundo exame já está isolado, “cumprindo o protocolo em vigor e seguindo as orientações do meu médico particular.

Fernández disse que contactou as pessoas com quem se encontrou nas últimas 48 horas “para avaliar se constituem um contato estreito para que se possam isolar”.

O contágio de Fernández ocorre em meio ao forte aumento das infecções que, segundo especialistas, marca que a Argentina já está passando pela segunda onda do coronavírus. A situação é complexa na região com uma pandemia descontrolada no Brasil, que também está causando estragos em outros países vizinhos.

O cenário é preocupante em La Rosada, onde não está descartada a possível implementação de restrições para tentar conter o avanço do coronavírus. De fato, Fernández havia planejado receber o chefe do Governo de Buenos Aires, Horacio Rodríguez Larreta, neste sábado, às 10, em Olivos, para analisar a situação.

LEIA TAMBÉM
Adeus, Cloroquina: Bolsonaro pode ser vacinado neste sábado

Enquete: quem é o “Judas” do Brasil?

A Folha de S. Paulo quer premiar a canalhice do governo Jair Bolsonaro

A Presidência referiu-se ao tweet do próprio Presidente para divulgar o quadro que está a atravessar. Nessa publicação, Fernández buscou tranquilizar a população sobre seu estado de saúde.

“Pelo que todos sabem, estou bem fisicamente e, embora tivesse gostado de terminar o meu aniversário sem esta notícia, também estou de bom humor. Agradeço de alma as muitas expressões de afeto que vocês me dispensaram hoje, relembrando meu nascimento”, disse o presidente argentino.

No final de sua publicação, Fernández pediu aos argentinos “muita atenção”. “Peço a todos que sejam preservados seguindo as recomendações atuais. É claro que a pandemia não passou e devemos continuar a cuidar de nós mesmos”, escreveu.

O anúncio surpreendeu quem lembrou que o presidente havia recebido a primeira dose da vacina em janeiro, mas as autoridades sanitárias esclareceram imediatamente que a eficácia das vacinas se mostrou elevada ao prevenir a infecção do coronavírus em alto percentual, que fica entre 70 e 90%, dependendo da vacina, mas não 100%, o que explica que a infecção dos vacinados ainda é possível.

Destacaram também que o principal objetivo da campanha contra a COVID-19 é evitar complicações graves, hospitalização e mortalidade, algo que todas as vacinas alcançam e que beneficiará a evolução de Alberto Fernández se finalmente se confirmar que está infectado. “Diante do contágio, as vacinas permitem a transição da doença de leve para moderada”, afirmam no governo.

Sputnik V divulga nota sobre a infecção de Fernández

O Centro Nacional de Pesquisa de Epidemiologia e Microbiologia Nikolay Gamaleya, criador da vacina Sputnik V, lamentou que Alberto Fernández foi infectado com coronavírus, apesar de ter aplicado a primeira dose e desejar-lhe “uma recuperação rápida”. Na mensagem de incentivo ao presidente, os criadores da vacina russa aproveitaram para destacar como ela funciona, o que previne e em que medida o faz.

“Instituto Gamaleya: Estamos tristes em ouvir isso”, começa um tópico no Twitter que o Centro Gamaleya publicou em resposta ao que o chefe de estado escreveu na mesma rede para relatar seu contágio.

Ao anunciar seu quadro clínico, Fernández detalhou como a doença transita, disse que está bem fisicamente e pediu aos argentinos que se cuidassem. “Queria dizer que no final de hoje, depois de apresentar um recorde de febre de 37,3 e uma leve dor de cabeça, fiz um teste de antígeno cujo resultado foi positivo”, disse o presidente.

O Centro Gamaleya publicou sua mensagem sobre o relato oficial da vacina Sputnik V durante as primeiras horas da manhã.

“#SputnikV é 91,6% eficaz contra infecções e 100% eficaz contra casos graves. Se a infecção for confirmada e ocorrer, a vacinação garante uma recuperação rápida e sem sintomas graves”, diz a publicação que conclui com incentivo a Fernández: “Desejamos-lhe um recuperação rápida!”

Fernández aplicou a primeira dose do Sputnik V no dia 21 de janeiro no Hospital Posadas. Decorrido o período correspondente, no dia 11 de fevereiro, foi aplicada a segunda dose.

O presidente se junta à lista de líderes ou primeiros-ministros que tiveram Covid-19. O primeiro foi o britânico Boris Johnson, há pouco mais de um ano, numa época em que era listado entre os negadores da pandemia.