É o Legislativo que vai enfrentar as crises de 2021, diz líder do PT na Câmara

O líder da Bancada do PT, deputado Enio Verri (PR), em entrevista à TV Câmara, criticou o pronunciamento do presidente Jair Bolsonaro na sessão de abertura do ano legislativo no Congresso Nacional, nesta quarta-feira (3). O parlamentar acredita que é o Congresso Nacional que irá enfrentar a grande crise que o Brasil vai enfrentar em 2021.

“A posição do presidente não foi boa. Ele faz uma fala provocativa, uma fala como se fosse dele os avanços do Congresso Nacional. Afinal de contas, nós tivemos, durante o ano de 2020, a completa ausência do Poder Executivo e em uma democracia republicana como é a nossa, quando o executivo não funciona, quem funciona é o Poder Legislativo”, afirmou Enio Verri.

Ele explicou que o Congresso Nacional, com todos os partidos, cresceu em cima da “incompetência” de Bolsonaro e fez o que o mandatário deveria ter feito. Verri ainda disse que não tem grandes expectativas sobre o papel do executivo. “Eu não tenho expectativas sobre qual o papel que o executivo vai ter em um ano onde temos mais de 223 mil mortos por conta da Covid, uma miséria crescente, um desemprego muito grande e ele, inclusive, dizendo que nós não teremos mais o auxílio emergencial”.

Retrocesso

Para Enio Verri, a eleição do deputado Arthur Lira (PP-AL) para presidente da Câmara Federal é um retrocesso. “Não votei no Arthur Lira. Não acho um avanço a eleição dele, ao contrário, acho que é um retrocesso o centrão voltar a dirigir a Câmara dos Deputados”. O líder considerou também um retrocesso a maneira como Lira foi eleito, “através de emendas e de cargos mostrando um vínculo excessivo dele com Jair Bolsonaro, e, portanto, agora, um vínculo excessivo da Câmara com o executivo. Isso não ajuda a democracia”, lamentou.

Enio Verri, no entanto, acredita que tem um fio de esperança que vem do Legislativo, com a carta assinada pelos presidentes da Câmara e do Senado. “A carta mostra um compromisso, que não é de Bolsonaro, com a vacinação, com o auxílio emergencial e com o desenvolvimento do País”, explicou.

O líder do PT fez questão de reforçar que esse fio de esperança não parte do Poder Executivo, parte do Legislativo novamente. “Eu acho até, de novo, que Bolsonaro ficará isolado falando suas besteiras, enquanto o Congresso, com a preocupação social, deverá enfrentar a grande crise que teremos em 2021”, finalizou o líder petista.