Venezuela vai fornecer oxigênio para Manaus enquanto Bolsonaro sabota combate à doença

A Venezuela pode ser a solução para a falta de oxigênio em Manaus. A informação é da White Martins, empresa que fornece o produto ao governo do Amazonas.

Segundo a White Martins, há disponibilidade do produto em suas operações na Venezuela e que “neste momento está atuando para viabilizar a importação do produto para a região”.

De acordo a empresa, a demanda de oxigênio aumentou em cinco vezes nos últimos 15 dias, alcançando um volume de 70 mil metros cúbicos diários. Esse consumo equivale a quase o triplo da capacidade de produção da unidade da White Martins em Manaus, que é de 25 mil metros cúbicos por dia.

Sem oxigênio nos hospitais, Manaus vive uma crise sem precedentes por causa da pandemia de Covid-19, com internações batendo recordes e pacientes sendo enviados para outros estados.

Bolsonaro sabota combate à Covid

Enquanto médicos e familiares lutam pela vida, o presidente Jair Bolsonaro e o ministro da Saúde, Eduardo Pazuello, continuam sabotando o combate à doença. Na noite desta quinta-feira (14), por exemplo, eles atribuíram à Anvisa (Agência Nacional de Vigilância Sanitária) o atraso da vacinação no País. Picaretagem dos dois moços, evidentemente.


O deputado Rodrigo Maia (DEM-RJ), presidente da Câmara, sem citar Bolsonaro, disse que falta de oxigênio em Manaus, o atraso na vacina, a falta de coordenação com estados e municípios são resultado da agenda negacionista que muitas lideranças promovem.

“Está na hora de todas as forças se unirem para salvar vidas. É fundamental – como defendi em dezembro com outros parlamentares – que o Congresso retome suas atividades na semana que vem”, declarou Maia.

Apelo de mulher viraliza nas redes sociais

Um vídeo postado em grupos de Whatsapp e em redes sociais mostra uma mulher fazendo apelo dramático por oxigênio em falta em uma clínica de Manaus (AM).

“Pessoal, eu peço misericórdia de vocês. Nós estamos em uma situação deplorável. Simplesmente acabou todo o oxigênio de uma unidade de saúde”, diz a mulher na filmagem. “Não tem oxigênio, é muita gente morrendo! Quem tiver disponibilidade, por favor, traga aqui para o SPA da Policlínica da Redenção. Tem muita gente morrendo, pelo amor de Deus”, segue ela emocionada.

O vídeo também foi enviado ao pesquisador Jesem Orellana, da Fiocruz Amazônia, que tem recebido relatos de pessoas que atuam na linha de frente contra a Covid-19 em unidades de saúde da cidade.