Jornais são os principais disseminadores de notícias falsas no País

No que pese a campanha contra as fake news, os jornais ainda lideram o topo de principais disseminadores de desinformação e notícias falsas no País.

Recentemente, o Blog do Esmael publicou um esclarecedor artigo do jornalista Luis Nassif. O veterano escriba dissecou o caso da Folha de S. Paulo, que, segundo ele, trocou o jornalismo pelo mercado financeiro.

A Folha abraçou as bandeiras da financeirização em detrimento do contraponto à ditadura do pensamento único imposto pela banca, estabeleceu Nassif.

As agências fact-checking faz o trabalho de infantaria: ataca suposta fake news de concorrentes, a exemplo sites independentes, enquanto os jornalões que financiam essas “verificadoras” ficam livres para desinformar e disseminar notícias falsas.

Voltemos à Folha e ao artigo de Nassif.

Neste sábado (09/01), o ex-prefeito e ex-ministro Fernando Haddad deixou de escrever no jornal paulistano. O petista é mais um dos que sucumbiram diante da vergada da Folha para o mercado à direita. Ou seja, predomina o perfil de colaboradores de direita, embora, para fingir amplitude, mantenha ainda alguns que fazem contraponto.

Um jornal que se arvora “imparcial” não pode desejar eliminar o contraponto, como disse Luis Nassif.

A estratégia da Folha consiste na ditadura da opinião única, sem o contraponto, onde tenta impor sua visão de mundo e de “verdade” –apesar de existir vida além das fake news da velha mídia brasileira.

A imprensa brasileira quer suprimir a diversidade na sociedade e ditar o que é “verdade” e o que é “mentira” por meio de agendas morais enquanto elas seguem bolsonaristas no aspecto da economia. Note que o povo sofre com a desgraça do desemprego e da falta de renda, no entanto, os barões da mídia estão ganhando bastante com essa financeirização.

Os jornais disseminam notícias falsas, as diabólicas fake news, para especular no mercado financeiro e faturar mais. Como mágicos, esses veículos de comunicação criticam Jair Bolsonaro pela malcriação, porém eles continuam juntos na picaretagem do ‘Estado Mínimo’ para a povo e ‘Estado Máximo’ para a burguesia.

É nesse contexto que Folha e outros jornalões espalham notícias falsas, de acordo com seu interesse político e econômico.

PS: a situação está do jeito que o diabo gosta; a Folha trocou o jornalismo pela ‘especulação financeira’ e a Globo trocou jornalistas por ‘robôs’ (inteligência artificial).