Bolsonaro apela a Deus para não sofrer impeachment antes de 2022

Compartilhe agora

A necessidade o impeachment de Jair Bolsonaro já é uma necessidade política e sanitária. O afastamento do mandatário tem o condão de salvar vidas. E é nesse contexto que o inquilino do Palácio do Planalto apelou a Deus para não ser afastado do cargo antes de 2022.

“Se Deus quiser, vou continuar o meu mandato” disse Bolsonaro a apoiadores na noite desta quarta-feira (20) à luz de 61 pedidos de impeachment protocolados na Câmara.

Nunca antes na história mundial um presidente da República sofreu tantos pedidos de impeachment quanto Bolsonaro.

O ex-presidente americano Donald Trump, que Deus o tenha, teve dois pedidos protocolados, aceitos e aprovados pela Câmara. O Senado ainda julgará o impeachment, que poderá banir o republicano da vida pública para sempre.

“Se Deus quiser, vou continuar o meu mandato, e, em 2022, o pessoal escolhe”, apelou o presidente Jair Bolsonaro ao Divino enquanto seus apoiadores o ouviam em frente ao Palácio da Alvorada, em Brasília.

O Blog do Esmael anotou que tramitam 61 pedidos de impeachment contra Bolsonaro na Câmara. No entanto, a 10 dias de deixar o cargo, o presidente da Câmara, Rodrigo Maia (DEM-RJ), não teve coragem de acolher um deles.

No placar do impeachment, 122 deputados são favoráveis ao impeachment ante 61 contrários nesta quinta-feira (21/01/2021).

Após apelar a Deus, Bolsonaro disse que tem muita “gente boa” para escolher nas eleições presidenciais do próximo ano e que espera que os “bons” se candidatem para não deixar os “mesmos” no pleito.