Datafolha diz que 37% acham Bolsonaro “ótimo” ou “bom”

O presidente Jair Bolsonaro teve o melhor índice de aprovação desde o início do mandato, em 1º de janeiro de 2019. É o que diz nova pesquisa do Datafolha divulgada neste domingo (13).

Segundo o instituto, 37% dos brasileiros consideram o presidente ótimo ou bom. Os números mantiveram a aprovação de agosto.

Os que acham Bolsonaro ruim ou péssimo somam 32% e os que o apontam como regular são 29%, de acordo com a pesquisa.

A pesquisa Datafolha assegura que, apesar de seu melhor momento desde a posse, ele tem a pior avaliação e maior rejeição dentre todos os presidentes anteriores –excetuando Collor de Mello.

Nas suas primeiras gestões, na mesma altura do mandato que Bolsonaro, os ex-presidente tinham as seguintes aprovações:

  • Fernando Henrique Cardoso (PSDB, 45%);
  • Luiz Inácio Lula da Silva (PT, 47%); e
  • Dilma Rousseff (PT, 62%).

O Datafolha afirma que o pior momento de Bolsonaro foi em junho, quando o presidente tinha 44% de rejeição.

Para o instituto, a virada do presidente começou com a prisão de Fabrício Queiroz, pivô das rachadinha que envolvem seu filho, o senador Flávio Bolsonaro (Republicanos-RJ). Na defensiva, Bolsonaro teve de abrir o governo para o Centrão e abandou os ataques contra o Congresso e o STF.

O Datafolha ainda vê uma bolha criada pelo auxílio emergencial –o coronavoucher— que o impulsionou em regiões mais pobres, como Norte e Nordeste.

No levantamento divulgado hoje, Bolsonaro é mais rejeitado nos grandes centros, como regiões metropolitanas (40%), ante municípios do interior (26%).

As regiões mais “bolsonaristas” são o Centro-Oeste e Norte.

Para os brasileiros, os principais problemas são;

  • Saúde (27%)
  • Desemprego (13%)
  • Economia (8%)
  • Corrupção (7%)
  • Educação (6%)
  • Inflação (2%)
  • Segurança (4%)

O Datafolha entrevistou 2.016 pessoas pelo telefone entre os dias 8 e 10 de dezembro. A margem de erro é de 2 pontos.

Bolsonaro é reeleito pelo Blog do Esmael como Pior do Ano 2020

Governo Bolsonaro e a improbidade administrativa na Caixa

Em editorial, Folha “chuta a boca” de Bolsonaro, mas continua apoiando o governo