IBGE e Dilma desmentem Ciro Gomes sobre dados do desemprego

Compartilhe agora

A ex-presidenta Dilma Rousseff (PT) desmentiu a afirmação de Ciro Gomes de que no fim do governo dela, no ano do golpe de 2016, o desemprego era de 14%.

Ciro afirmou: “A Dilma não é uma pessoa desonrada, é uma pessoa séria. Nós aqui no Ceará demos dois terços do votos contra o impeachment, portanto não me meto nessa história de que a Dilma é uma corrupta, mas a Dilma desastrou o Brasil. Quando ela assumiu o desemprego era 4% quando saiu estava em 14%”

Porém o IBGE aponta justamente o contrário: No final de 2016, já sob a presidência do ilegítimo Michel Temer (MDB), o desemprego atingiu 11,6%.

Dilma publicou uma nota em seu site. Confira:

OS DADOS REAIS DO DESEMPREGO

Ciro comete um equívoco ao afirmar, em Pernambuco, que quando assumi o governo havia uma taxa de desemprego de 4% e quando saí da presidência o índice estava em 14%. Os dados verdadeiros do IBGE são bem diferentes. Eu assumi, em janeiro de 2011, com a taxa de desemprego em 6%. Quando meu primeiro mandato acabou, em 2014, o desemprego médio foi de 4,8%. Naquele ano, inclusive, foi registrado o menor índice mensal da série histórica, 4,3% em dezembro. Em 2015, já em pleno processo de sabotagem do governo e crise produzida pelo processo de impeachment, o desemprego médio anual registrado foi de 8,8%. E em 2016, já sob o Governo Temer, pois fui afastada do cargo em maio, a taxa média de desemprego subiu para 11,5%.

Durante o governo Lula e o meu governo, nós criamos 19,6 milhões de empregos formais, com carteira assinada. Um recorde histórico.

A verdade é que o emprego foi destruído no Brasil pelo mesmo golpe que destruiu a democracia.

DILMA ROUSSEFF

A beligerância de Ciro Gomes contra o PT é injustificada e põe em risco o futuro de uma frente democrática anti-fascista.

“Se o Boulos ganhar” bomba nas redes com as possibilidades de um mandato popular em São Paulo

Boulos comemora resultado da pesquisa Datafolha: “A onda da virada não para de crescer”

Greve de fome: CUT alerta governo Ratinho sobre a gravidade da situação dos professores