Greve de fome: CUT alerta governo Ratinho sobre a gravidade da situação dos professores

Compartilhe agora

A Central Única dos Trabalhadores (CUT) enviou, nesta segunda-feira (23), um documento ao governador do Paraná, Ratinho Júnior, pedindo a imediata suspensão da prova seletiva para contratação de professores e professoras temporários para a educação. Esta é uma das demandas dos servidores públicos paranaenses em greve de fome há quatro dias. No mesmo documento, a central sindical alerta que o problema, pela sua gravidade, extrapolou as atribuições da secretaria de Estado da Educação e tornou-se, efetivamente, um problema de Estado.

O documento, assinado pelos presidentes nacional e estadual da CUT, Sérgio Nobre e Marcio Kieller, respectivamente -, demanda a retomada do diálogo com a categoria, situação até agora negada pelo Governo do Estado em diversas medidas contrárias ao bom andamento do serviço público. Entre elas, além da contratação dos trabalhadores por intermédio do Processo Seletivo Simplificado (PSS), estão o pagamento de promoções e progressões atrasadas e a militarização de colégios estaduais.

LEIA MAIS SOBRE O ASSUNTO:

Deputado do PT pede “Fora Ratinho” e presidente da ALEP encerra discussão; assista

‘Ratinho é o culpado’ da greve de fome dos professores, aponta Requião Filho

Greve de fome de professores: Ratinho quer vencer pela inanição

Confira a íntegra do ofício:

Ao Excelentíssimo Governador do Estado do Paraná

Sr. Carlos Massa Ratinho Júnior

Assunto : Solicitação de cancelamento da prova de PSS – Processo Seletivo Simplificado do Governo do Estado do Paraná.

A Central Única dos Trabalhadores – a CUT Brasil acompanhando atentamente o desenrolar dos acontecimentos referente às discussões que a Categoria dos Professores e funcionários de Escolas das Públicas do Estado do Paraná e sua entidade representativa a APP/Sindicato travam junto ao governo do Estado, com relação a não realização da Prova do PSS e também a outros temas relativos a progressões e promoções que a base da educação pública tem pautado sem sucesso junto ao governo do Estado.

Porém, no caso da Prova do PSS a situação saiu do âmbito do controle da Secretária Estadual de Educação e virou problema de Estado, aguardando resolução por parte da Casa Civil do Estado do Paraná. Assim como a responsabilidade política pela Greve de Fome iniciada há mais de 96 horas (4 dias) por parte de 47 professoras e professores oriundos de diversos núcleos sindicais que compõem a APP/Sindicato, incluindo entre os grevistas o próprio presidente da APP o professor Hermes Silva Leão, e também a professoras Taís Adams membro da Executiva da CUT no Estado do Paraná.

Portanto, solicitamos ao governo do Estado do Paraná que suspenda imediatamente o Edital 47 – que Convoca a prova do PSS. Para que possamos interromper esse processo desumano de Greve de Fome e retomarmos o diálogo para construir uma solução conjunta entre o governo do Estado e a APP/Sindicato. Pois acreditamos que o melhor para todos é a construção do debate coletivo. E a melhor forma de sairmos do impasse criado é o governo do Estado do Paraná tomar as providências imediatas de suspensão do Edital de convocação da Prova para professores através do Processo Seletivo Simplificado.

Certos da sensibilidade política de vossa senhoria no sentido para tratar o tema, nos despedimos enviando-lhe nossas cordiais.

Saudações CUTistas!!

Fonte: CUT / CUT-PR – Edição do Blog do Esmael