Vacina russa Sputnik V será produzida pela farmacêutica brasileira União Química

A farmacêutica brasileira União Química assinou acordo com o Fundo Russo de Investimento Direto (RDIF) para produzir a vacina russa Sputnik V contra o Sars-Cov-2 a partir da segunda quinzena de novembro.

A empresa disse na sexta-feira (23) que firmou um acordo de confidencialidade que a impede de fornecer quaisquer detalhes técnicos ou científicos. O laboratório ainda precisa obter aprovação da Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa) para a produção.

O acordo assinado pela União Química é o segundo para produção da vacina russa no Brasil, onde outras quatro vacinas contra a Covid-19 já estão sendo testadas.

A vacina russa está sendo desenvolvida pelo Instituto de Pesquisa Gamaleya, de Moscou, e comercializada pelo RDIF, que no mês passado fechou um acordo com o governo do Paraná para testar e produzir a vacina no Brasil.

O governo da Bahia também assinou um acordo para conduzir testes clínicos de Fase III da vacina Sputnik V e planeja comprar 50 milhões de doses.

LEIA TAMBÉM SOBRE A CORRIDA DAS VACINAS:

Guerra da Vacina: Oxford-AstraZeneca continuam testes apesar da morte de voluntário

Vacina chinesa: Testes confirmam eficácia, diz Instituto Butantan

PT apresenta projeto que torna obrigatória vacinação contra a Covid-19

Uma porta-voz da Anvisa disse que os governos do Paraná e da Bahia ainda não entraram com pedidos de aprovação para seus planos de testar a vacina russa, muito menos produzi-la.

O país, com mais de 5 milhões de contaminados, é um dos principais campo de testes na corrida pelas vacinas para combater o novo coronavírus.

*Com informações do G1

Compartilhe agora