Globo vira-lata vai transmitir debate Trump vs Biden enquanto censura disputa eleitoral no Brasil

Compartilhe agora

A Rede Globo anuncia com pompa e circunstância que irá transmitir ao vivo nesta quinta-feira (21), às 22 horas, o último debate da eleição presidencial americana entre o presidente Donald Trump e o ex-vice Joe Biden.

“Os candidatos Donald Trump e Joe Biden se encontram na noite desta quinta para o último debate, em Nashville, antes das eleições americanas. Todos os convidados foram testados para Covid-19. Assista ao vivo na GloboNews”, convocou o canal fechado da emissora dos Marinho.

Ao vivo – debate Trump x Biden

Globo vira-lata

O debate de hoje à noite de fato chama a atenção e é uma pauta importante, porém, o viralatismo impera na Globo porque a emissora censurou o debate entre os candidatos a prefeito no primeiro turno das eleições municipais brasileiras.

Teve oito candidatos de Curitiba, no Paraná, que, por falta de espaço na mídia e fuga do atual mandatário, realizaram debate numa praça pública.

Globo e demais veículos brasileiros fazem escola no mundo

A velha mídia golpista brasileira acompanha com carinho a eleição americana porque ela acredita que fez escola ao dar o golpe de Estado em 2016, quando ajudou derrubar a presidenta eleita Dilma Rousseff (PT), promoveu Michel Temer (MDB) e elegeu Jair Bolsonaro (sem partido). Enfim, os jornalões sabem que são os responsáveis pela aberração no Palácio do Planalto. Ou seja, os barões da mídia brasileira farejam de longe que Donald Trump poderá não reconhecer o resultado das urnas e tentar permanecer no cargo mesmo perdendo.

Debate Trump vs Biden

Quanto ao debate de hoje à note, será o único debate entre os dois após Trump contrair Covid-19 — doença que será um dos 6 temas do encontro.

Além da pandemia, Trump e Biden irão debater assuntos sobre famílias americanas, a questão racial nos EUA, mudanças climáticas, segurança nacional e liderança. Os temas foram pré-definidos pelos organizadores.

O encontro em Nashville terá duração de 90 minutos, divididos em seis blocos com 15 minutos para cada tema.

Para evitar interrupções, cada candidato terá o microfone cortado quando adversário estiver respondendo.

Tensão na eleição dos EUA

O confronto televisivo entre o republicano e o democrata ocorre a 12 dias das eleições e horas depois de Barack Obama ter entrado na campanha de Joe Biden. Também em um ambiente que 40 milhões de eleitores americanos já votaram antecipadamente pelo Correio.

Todas as pesquisas de opinião sugerem que o candidato democrata Joe Biden irá derrotar nas urnas Donald Trump, que está numericamente atrás nas sondagens.

Os analistas políticos americanos ainda não dão segurança sobre o comportamento do eleitor indeciso, que não se manifesta neste momento, a exemplos dos moradores nos subúrbios brancos, decisivos em 2016, suscetíveis ao discurso apelando à lei e ordem.

Nesse quadro, por outro lado, não se conhece a capacidade de mobilização de Biden, sobretudo no dia das eleições, 3 de novembro.

Também não se pode desprezar o movimento intimidatório da milícia armada de Donald Trump, que tenta constranger os eleitores, isso aumenta a tensão da disputa na reta final.

E por fim, talvez a cereja do bolo, é a possibilidade [real] de Trump não reconhecer o resultado das urnas e mergulhar o país no caos absoluto –a exemplo do que ocorre no Brasil hoje.

É neste contexto que a Globo se acadela aos interesses americanos.

Trump vai perder e não reconhecer o resultado, prevê artigo no Estadão

Biden teme fraude na eleição e pede que Trump reconheça o resultado das urnas

O viralatismo virou a doença infantil do bolsonarismo, diz Xico Sá