Inteligência russa diz que EUA querem ‘organizar uma revolução colorida e um golpe na Bielorrússia’

O diretor do Serviço de Inteligência Exterior da Rússia (SVR), Sergey Naryshkin, disse nesta quarta-feira (16) que os Estados Unidos estão por trás dos recentes protestos na Bielorrússia.

“Os Estados Unidos estão tentando organizar uma revolução colorida e um golpe inconstitucional na Bielorrússia”, denunciou Naryshkin em comunicado à agência de notícias russa TASS.

LEIA TAMBÉM
Líder do governo, Ricardo Barros, é alvo busca e apreensão da polícia

O Pantanal ‘chama’, a Amazônia ‘arde’ e Salles perde as estribeiras

Paulo Pimenta denuncia nomeação de novo reitor da UFRGS, 3° colocado nas eleições da instituição

Segundo o diretor, o SVR possui informações que apontam para o “papel fundamental” desempenhado pelos EUA nos protestos ocorridos no país do leste europeu.

20 milhões de dólares para organizar protestos
Naryshkin também disse que os protestos antigovernamentais na Bielorrússia começaram a ser preparadas muito antes das eleições presidenciais no país e que os EUA injetaram cerca 20 milhões de dólares em várias ONGs para os preparativos dos protestos.

“Esse dinheiro foi usado para criar uma rede de ‘blogueiros independentes’ e contas de informação em redes sociais, e também para treinar ativistas que participariam de manifestações de rua”, explicou o diretor do serviço de inteligência russo, acrescentando que parte desses ativistas eram “formados no estrangeiro”, em particular na Polónia, Lituânia e Ucrânia.

Os protestos na Bielorrússia começaram no dia 9 de agosto, depois que foi anunciado que o atual presidente Alexander Lukashenko, que está no poder desde 1994, ganhou as eleições presidenciais com 80,1% dos votos.

A sua principal rival e líder da oposição, Svetlana Tijanóvskaya, que segundo a contagem oficial teve 10,12% dos votos, não reconheceu o resultado das eleições. Os manifestantes também não confiam nesses números e exigem novas eleições.

Com informações da RT