Covid-19: Professores nos Estados Unidos fazem carreatas contra abertura de escolas

Professores e funcionários de mais de 35 distritos escolares dos Estados Unidos realizaram protestos na segunda-feira (3) contra os planos de retomada de aulas presenciais enquanto os casos de Covid-19 continuam avançando em todo país. Novas manifestações estão convocadas para esta semana.

Os profissionais da educação, que fizeram carreatas levando cartazes e com mensagens pintadas em seus veículos, exigem que as escolas não retomem as aulas em agosto e setembro, até que dados científicos justifiquem tais medidas.

Os professores querem que os distritos esperem até que entrem em vigor protocolos como salas de aulas com menos alunos e a realização de mais testes para a Covid-19.

Eles também pedem que as escolas sejam equipadas com um número adequado de coordenadores e enfermeiras.

LEIA TAMBÉM:

[Vídeo] Prefeito de Itajaí quer aplicar ozônio no reto dos infectados com o Coronavírus

Torcidas antifascistas lançam manifesto pedindo justiça para o ex-presidente Lula

Argentina fecha acordo de reestruturação da dívida com credores e começa a sair da moratória

Bolsonaro veta indenização para trabalhadores da Saúde incapacitados pela Covid-19

O presidente Bolsonaro vetou integralmente a Lei que previa indenização de R$ 50 mil para trabalhadores da Saúde incapacitados pela Covid-19. O veto foi publicado nesta terça-feira (4) no Diário Oficial da União.

A justificativa para o veto é que a Lei seria inconstitucional e contrário ao interesse público, porque prevê “benefício indenizatório para agentes públicos e criando despesa continuada em período de calamidade no qual tais medidas estão vedadas”.

Teriam direito à indenização os trabalhadores na Saúde que se infectaram com o Coronavírus e ficaram incapacitados para o trabalho.

Mas, para o presidente nada disso é importante e essas pessoas que colocaram suas vidas em risco não merecem nenhuma compensação.

Segundo o Conselho Federal de Enfermagem, o Brasil é o país com mais mortes de enfermeiros por Covid-19 no mundo.

*Com informações do G1 e Cofen.