Covid-19: Avançam testes com a vacina chinesa no Brasil

Em fase de testes no Brasil, a vacina chinesa contra o novo coronavírus provocou efeitos colaterais em cerca de 3% dos voluntários brasileiros. Isso é o que mostram os resultados preliminares do imunizante produzido pelo laboratório Sinovac, informa a coluna Painel da Folha de S. Paulo.

O secretário estadual da Saúde de São Paulo, Jean Gorinchteyn, disse que “não houve reação colateral grave” que pudesse indicar, por exemplo, a necessidade de paralisação do estudo clínico. Ele afirma que as poucas pessoas que relataram algum tipo de efeito sentiram apenas dor no local da picada.

A vacina em questão é testada em seis estados do país. De acordo com a publicação, parte dos voluntários brasileiros já começou a tomar a segunda dose.

LEIA TAMBÉM:

Uruguai apresenta protocolo sanitário para retomada da Copa Libertadores

Obituário do Bolsonaro informa: 120.262 mortes por Covid-19 até este sábado (29/08)

Covid-19: Fiocruz assinará contrato para produzir vacina da AstraZeneca

Bolsonaro vai tirar R$ 300 do auxílio emergencial, depois de tirar emprego de milhões de pessoas

Como se não bastasse eliminar emprego de milhões de pessoas, o presidente Jair Bolsonaro agora se prepara para tirar R$ 300 do auxílio emergencial de cerca de 66 milhões de brasileiros. Ele age como Robin Hood às avessas, que tira dos pobres para dar aos banqueiros.

Bolsonaro fez uma demagogia barata neste sábado (29) ao afirmar que o governo trabalha pela prorrogação do auxílio emergencial até o final do ano, com um valor abaixo dos atuais R$ 600, mas acima de R$ 200,00.

O valor intermediário seria de R$ 300, dizem fontes no Palácio do Planalto. Ou seja, Bolsonaro e os banqueiros irão abocanhar 50% do auxílio emergencial aprovado pelo Congresso Nacional no início da pandemia do novo coronavírus.

“Sabemos da necessidade daqueles que recebem o auxílio emergencial, e ele é pouco para quem recebe e muito para quem paga”, discursou o presidente. “Vocês gastam por mês R$ 50 bilhões neste auxílio. Nós pretendemos com um valor menor, que obviamente não será 600, mas também não será 200, prorrogá-lo até o final do ano”, acrescentou Bolsonaro, sem revelar que pretende cortar R$ 300 da ajuda governamental.

O presidente visitou hoje o município goiano de Caldas Novas, ao lado do governador Ronaldo Caiado (DEM), na inauguração de uma usina de energia fotovoltaica.

Pago em razão da crise econômica provocada pela pandemia de covid-19, a criação do benefício foi aprovada pelo Congresso em março e sancionada pelo presidente no mês seguinte. Os beneficiários aprovados, que incluem desempregados e informais, recebem hoje três parcelas mensais de R$ 600,00.

Inicialmente, Bolsonaro e o ministro Paulo Guedes defendiam o auxílio emergencial de apenas R$ 200. No entanto, o PT e a bancada de oposição impuseram uma derrota no governo.

Jair Bolsonaro quer tirar R$ 300 dos mais pobres para dar aos banqueiros, depois que o presidente e Paulo Guedes tiraram 80 milhões de empregos dos brasileiros.