Efeito Bolsonaro: Brasil supera 80 mil mortos por Covid-19 nesta segunda

O Brasil atingiu, nesta segunda-feira (20), os 80.120 óbitos em decorrência da Covid-19, tendo sido 632 registrados nas últimas 24h. No mesmo período foram registrados 20.257 novos casos e o total de infecções desde o início da pandemia é de 2.118.646.

A incidência da doença apresentou crescimento, alcançando a margem de 1008,2/100 mil habitantes.

De acordo com boletim do Ministério da Saúde, do total de casos registrados, 1.409.202 estão recuperados e outros 629.324 são casos ativos da doença.

Enquanto isso, o general Eduardo Pazuello continua interinamente no comando do ministério sem apresentar um plano para conter a expansão da doença no país.

LEIA TAMBÉM:

Câmara aprova auxílio emergencial de R$ 600 a agricultores familiares durante pandemia

Ministro Braga Neto autorizou a indicação da própria filha para a ANS

Povos indígenas estão particularmente em risco devido à Covid-19, alerta OMS

Oxford, China e Rússia avançam no desenvolvimento de vacinas contra a Covid-19

As notícias sobre a possibilidade de termos uma vacina capaz imunizar e proteger as pessoas da Covid-19 são animadoras e estão vindo de três países diferentes: a Inglaterra com a vacina de Oxford, além da China e da Russia.

Cientistas da Universidade de Oxford anunciaram nesta segunda-feira (20) que, de acordo com resultados preliminares, a vacina da universidade para a Covid-19 é segura e induziu resposta imune no corpo dos voluntários.

Os resultados, que já eram esperados pelos pesquisadores, se referem às duas primeiras fases de testes da imunização. O Brasil também participa da terceira de testes e já tem um acordo firmado para utilização e produção desta vacina.

As previsões mais otimistas apontam que a vacina de Oxford pode estar disponível a partir de setembro. O acordo foi firmado pelo Governo Federal através da Fundação Oswaldo Cruz.

Já o Governo de São Paulo firmou um acordo com a China através do Instituto Butantan. As primeiras doses da vacina do laboratório chinês Sinovac Biotech chegaram ao Brasil na madrugada desta segunda-feira (20). Essas doses ainda são para testes e serão aplicadas imediatamente em cerca de nove mil voluntários.

Há até uma disputa política entre o Governo Federal e o Governo de São Paulo para ver quem vence essa corrida. Tomara que as duas sejam bem sucedidas o mais rápido possível proporcionando a imunização para o povo brasileiro.

Correndo por fora ha a Rússia que anunciou ter concluído os testes clínicos de vacina contra o novo coronavírus (SARS-CoV-2).

As pesquisas foram realizadas pelo Centro Nacional de Pesquisa de Epidemiologia e Microbiologia Gamalei, no Hospital Militar Burdenko, anunciou nesta segunda-feira (20) o Ministério da Defesa da Rússia.

“Os resultados dos testes disponíveis mostram claramente que todos os voluntários têm uma resposta imune à vacinação. Não foi detectado nenhum efeito colateral, complicações, reações indesejáveis [ou] reclamações sobre o estado de saúde dos voluntários no momento da alta”, afirmou o Governo Russo.

Ainda há dezenas de pesquisas com diferentes abordagens mundo afora. Mas as vacinas de Oxford, da China e da Rússia parecem ser as mais promissoras por enquanto. Tudo leva a crer que as vacinas destas procedências terão custo razoável e devem ser disponibilizadas em grande escala para os brasileiros através do SUS.

Essa é a torcida para que o mundo supere essa pandemia que já causou tantas mortes e tantos danos à economia mundial.

*Com informações do G1, UOL e Sputnik.