Olavo de Carvalho atribui para si o inferno astral do presidente Jair Bolsonaro

O astrólogo e guru Olavo de Carvalho, pelo Twitter, atribuiu para si o inferno astral do presidente Jair Bolsonaro.

“Quando eu disse “Eu vim para foder com tudo”, eu sabia do que estava falando”, escreveu o guru.

Na semana que passou, Bolsonaro viveu os piores momentos desde a posse em 1º de janeiro de 2019.

Nesse período, a ativista Sara Winter foi presa, bem como outros extremistas.

O ex-assessor Fabrício de Queiroz foi preso no sítio de Atibaia (SP).

Abraham Weintraub, para não ser preso, saiu fugido para os Estados Unidos.

Para piorar a situação, a mídia vê um “Fiat Elba” na multiplicação por quatro no faturamento da empresária Cristina Bonner, ex-mulher do advogado Frederick Wassef, que defende a família Bolsonaro.

“Eu vim para foder com tudo”, destacou Olavo de Carvalho.

Surtado, o guru disse que nenhum órgão da “grande mídia”, no Brasil, pode correr o risco fatal de me conceder um espacinho sem arriscar-se, no ato, à completa desmoralização da equipe inteira dos seus redatores. “Não há chefe de redação que não esteja consciente dessa realidade humilhante”, jactou-se.

“O personagem central fui eu, não o Bolsonaro”, afirmou, ao pedir ajuda para seus seguidores conservadores.

ASSISTA AO VÍDEO:

LEIA TAMBÉM

Pesquisa aponta Sérgio Moro como principal adversário de Bolsonaro em 2022

Pesquisa da Quaest Consultoria mostra que o ex-ministro da Justiça Sérgio Moro é hoje o principal adversário do presidente Jair Bolsonaro (sem partido) na corrida presidencial de 2022.

De acordo com o levantamento, feito entre os dias 14 e 17 de junho, com 1000 entrevistados distribuídos pelas 27 unidades da federação, Moro aparece com 19% das intenções de voto, enquanto Bolsonaro tem 22%.

O ex-ministro supera seu antigo chefe em alguns segmentos, como entre pessoas com mais de 60 anos (24% a 22%) e com renda mensal superior a cinco salários mínimos (24% a 15%). Moro também está à frente de Bolsonaro nas regiões sudeste (24% a 21%) e sul (20% a 18%).

Na terceira e na quarta colocações, estão nomes da esquerda. Derrotado no segundo turno em 2018, Fernando Haddad, do PT, tem 13%. Já Ciro Gomes, do PDT, registra 12%. Em quinto e sexto lugares aparecem o apresentador Luciano Huck (5%) e Guilherme Boulos (3%), do Psol. O governador de São Paulo, João Doria (PSDB), registra apenas 2%. 23% dos ouvidos pela pesquisa dizem não ter candidato.

A Quaest terminou o levantamento um dia antes da prisão de Fabrício Queiroz, miliciano e operador de um esquema de “rachadinha” no gabinete do então deputado estadual Flávio Bolsonaro na Assembleia Legislativa do Rio (Alerj). Não mediu, portanto, o impacto dessa notícia.

Já os efeitos da pandemia de Covid-19, que já matou mais de 50 000 pessoas no Brasil, foi devidamente registrado. Os dados não são nada bons para Bolsonaro, que desdenhou da doença. De acordo com a pesquisa, a desaprovação ao trabalho do presidente no combate ao novo coronavírus subiu de 47%, em abril, para 59%, em junho.

Entre os que votaram em Bolsonaro em 2018, cresceu de 19% para 31% os brasileiros que rejeitam a forma como o presidente conduz a crise.

A sondagem também mostra que o auxílio emergencial não melhorou a imagem de Bolsonaro. Entre os brasileiros que associam o benefício ao presidente, 37% avaliam mal a forma como ele enfrenta a pandemia de coronavírus e 35% avaliam bem. Para os entrevistados, o Congresso (50%), e não o presidente (37%), é o principal responsável pelo auxilio emergencial.

Com informações da Veja.