Entregadores de aplicativos convocam greve nacional para 1º de julho

Os trabalhadores de entrega por aplicativos preparam uma greve nacional no 1º de julho. A categoria reinvidica melhores condições de trabalho, como salário decente e redudação da jornada, além de algum tipo de assistência e segurança.

A maioria desses trabalhadores atendem os aplicativos Rappi, iFood, UberEats, Loggi e James – mas essas empresas lutam para não reconhecer o vínculo trabalhista, chamando-os de “parceiros”.

A paralisação é mais uma etapa da luta iniciada pelos entregadores, que viram a situação piorar com a chegada do novo coronavírus, que aumentou a demanda por deliverys. Por serem informais, eles não têm direito a férias ou algum tipo de seguro em caso de acidente.

LEIA TAMBÉM:

[Ao vivo]: PF faz busca e apreensão no quintal de ‘Bolsonaro’. E agora?

Fake News: STF forma maioria pela manutenção de Weintraub em inquérito

PSOL pede convocação de ministro da Justiça para explicar intimidação a cartunista e jornalista

Os trabalhadores realizam atos desde de abril para mostrar a urgência de serem atendidos pelas empresas.

*Com informações da CUT