Supremo israelense discute destino de Netanyahu como primeiro-ministro

A Suprema Corte de Israel iniciou uma audiência de dois dias neste domingo (3) para decidir se o primeiro-ministro Benjamin Netanyahu, que foi indiciado por corrupção, poderá formar um novo governo.

Uma decisão contra Netanyahu provavelmente desencadeará uma eleição instantânea – a quarta desde abril de 2019 – quando o país lida com a crise do coronavírus e suas consequências econômicas.

LEIA TAMBÉM:
Velha mídia se diz “chocada” com a pobreza que ela ajudou a criar e perpetuar no País

Senado aprova ajuda de R$ 125 bi para estados e municípios, mas congela de salários de servidores até 2022

Ciro e Amoedo pedem ‘Fora Bolsonaro’ em debate na GloboNews

Netanyahu e seu principal rival Benny Gantz assinaram um acordo no mês passado para formar um governo de unidade sob o qual eles se revezariam na liderança de Israel após três eleições que nenhum deles venceu.

No poder há mais de uma década e atualmente chefe de um governo interino, Netanyahu de direita servirá como primeiro ministro de um novo governo por 18 meses antes de entregar as rédeas ao centrista Gantz, conforme o acordo de unidade.

Mas vários grupos, incluindo partidos da oposição e vigilantes da democracia, pediram à mais alta corte do país que anule o acordo e impeça Netanyahu de liderar o governo, citando os procedimentos criminais contra ele.

Respondendo à petição, o procurador-geral de Israel, Avichai Mandelblit, disse que não havia base legal suficiente para desqualificar Netanyahu.

Alguns analistas israelenses afirmam que o tribunal dificilmente impedirá o premiê de liderar um novo governo. Espera-se que uma decisão seja anunciada na próxima quinta-feira (7).

Netanyahu, o primeiro-ministro mais antigo de Israel, foi indiciado em janeiro por acusações de suborno, fraude e quebra de confiança. Ele nega qualquer irregularidade nos três casos contra ele e disse que é vítima de uma caça política às bruxas.

O julgamento de Netanyahu deve começar em 24 de maio.

A lei israelense diz que um primeiro-ministro sob acusação não é obrigado a renunciar até uma condenação final.

As informações são da Agência Reuters.