Deu no New York Times: Bolsonaro está por um fio por causa da pandemia de coronavírus

O New York Times, o maior jornal do mundo, anotou nesta sexta-feira (1º) que o presidente brasileiro Jair Bolsonaro luta pela sobrevivência política, recorrendo a idosos militares capacitados. Segundo a publicação, ele é líder debilitado e deu aos generais do Brasil uma abertura para que eles se inserissem no poder.

O jornal retrata que Jair Bolsonaro chegou à Presidência do Brasil prometendo acabar com a corrupção, estimular a economia e acabar com a notória sujeira na política do país.

“Que diferença fazem 16 meses”, suspiram os repórteres Ernesto Londoño, Letícia Casado e Manuela Andreoni –autores do texto para o NYT.

A reportagem afirma que o presidente foi golpeado por uma torrente de investigações sobre ele e sua família. “Uma economia em queda livre e críticas ao manejo cavalheiresco de uma das epidemias de coronavírus que mais crescem no mundo, Bolsonaro está lutando pela sobrevivência política.”

“Agora, com a intensificação do pedidos de impeachment, ele está sendo acompanhado por um grupo cada vez menor de líderes que estão ganhando poder enorme à medida que seus problemas se multiplicam.”

Para o NYT, Bolsonaro tornou-se cada vez mais dependente de um quadro de anciãos militares, confiando a eles o maior poder que eles tinham desde que a ditadura militar terminou na década de 1980.

“E, apesar de suas primeiras promessas para limpar a política, ele se tornou altamente dependente de políticos de carreira [a exemplo do Centrão], incluindo vários prejudicados por acusações de corrupção, que estão ansiosos para extrair favores de um líder em dificuldades. Isso poderia dar a eles controle sobre bilhões de dólares em gastos públicos, à medida que o país entra em uma recessão grave”, escrevem os três repórteres.

A impressão do jornal americano é que há um clima de final de feira no governo Bolsonaro, que está por um fio na pandemia de coronavírus.

“A pandemia deixou Bolsonaro especialmente vulnerável. O Brasil está rapidamente se tornando um ponto quente global e esta semana superou o número de mortes relatadas pela China. No entanto, o presidente continua resistindo aos pedidos de quarentenas mais rigorosas e demonstra pouca empatia pelos mais de 6.300 brasileiros que morreram, provocando críticas generalizadas de que ele tem sido imprudente e insensível.”

“E daí? Desculpe, mas o que você quer que eu faça? ele disse esta semana sobre o crescente número de mortos, antes de fazer uma piada sobre seu nome do meio. “Meu nome é Messias, mas não posso fazer milagres.”

Seus problemas vão muito além do vírus, lembra o NYT. A presidência de Bolsonaro já vinha se debatendo há semanas – e então ele desencadeou uma inesperada crise política na semana passada.

Ele demitiu o chefe da polícia federal e a reação foi feroz. O ministro da Justiça Sergio Moro, o membro mais popular do gabinete, renunciou em protesto. Em uma tentativa de despedida extraordinária, Moro acusou o presidente de tentar obstruir a justiça, colocando um funcionário subserviente no comando de uma agência que investiga vários de seus aliados, incluindo um dos filhos de Bolsonaro.

Isso levou o Supremo Tribunal a abrir uma investigação sobre as ações de Bolsonaro e bloquear a nomeação de um novo chefe de Polícia Federal. Bolsonaro reagiu desafiadoramente, dizendo que não havia abandonado o “sonho” de ter um amigo da família no comando da força policial, aumentando a perspectiva de um choque institucional.

As demandas pela renúncia e impeachment do presidente estão ganhando força no Congresso, onde uma oposição sem líderes e díspares carece de um plano claro para derrubá-lo. Mesmo assim, os legisladores e a Suprema Corte estão deixando Bolsonaro com pouco espaço para manobrar.

“Ele é ilusório ao pensar que não está vinculado à Constituição”, disse Randolfe Rodrigues, um importante senador da oposição. “Espero que ele comece a descobrir que está sujeito ao estado de direito.”
 
O gabinete do presidente recusou entrevistas nesta semana. Mas, à medida que Bolsonaro se tornou radioativo para grande parte do establishment político da capital, Brasília, diplomatas e cientistas políticos começaram a adivinhar o quanto os tumultos que os generais que ocupam cargos de chefia vão tolerar.

A era Bolsonaro deu aos generais do Brasil uma abertura para se inserir de volta nas linhas de frente da política, um papel que eles tiveram durante a ditadura militar de 21 anos do país, que terminou em 1985.

Atualmente, oficiais ativos e ex-militares ocupam nove das 22 posições do gabinete, incluindo três que operam fora do palácio presidencial. Esses cargos deram ampla autoridade militar ao Brasil sobre questões como política fiscal, desenvolvimento na Amazônia e resposta à pandemia.

“Acho que esta é a melhor equipe do governo que tivemos nos últimos 30 anos, de longe”, disse o general Paulo Chagas, que se candidatou a um cargo, mas não está no governo, disse em entrevista. “No entanto, a vulnerabilidade do governo é seu próprio líder, que está sempre dando munição aos seus adversários.”

À medida que o caos toma conta da presidência de Bolsonaro, as especulações de que seu vice-presidente, general Hamilton Mourão, está se preparando para assumir o cargo, estão repletas de memes e conversas de bastidores. Mourão, às vezes, parece gostar do pandemônio.

Pouco depois de Bolsonaro demitir seu ministro da Saúde em 17 de abril – depois de reclamar do forte endosso das medidas de distanciamento social do ministro – o vice-presidente sorriu quando disse aos jornalistas : “Tudo está sob controle: simplesmente não sabemos quem.”
 
Amy Erica Smith, cientista política da Universidade Estadual de Iowa, especializada no Brasil, disse que os generais que amarraram seu lote a Bolsonaro agora devem estar preocupados com sua reputação pessoal e com a imagem dos militares como garantidor da ordem.

“A crise que estamos enfrentando aumenta a ameaça de que os militares decidam que a liderança civil não é eficaz e decidem assumir o controle”, disse ela. “Parece claro que os militares continuam tendo essa idéia de si mesmos como uma força tutelar na política”.

Analistas políticos dizem que uma aquisição militar convencional é impensável no Brasil de hoje, dada a força do Congresso, dos tribunais, da sociedade civil e da imprensa. Smith disse, porém, que os generais podem transformar Bolsonaro em um líder em figura de proa ou apoiar tacitamente os esforços para impeach-lo, o que deixaria Mourão no controle.

A súbita perspectiva de uma nova deposição presidencial quatro anos após o tumultuado impeachment da presidente Dilma Rousseff mexeu com a política em Brasília, onde os legisladores apresentaram pelo menos 29 petições de impeachment contra Bolsonaro.

Bolsonaro é o raro presidente sem partido político, quebrando fileiras com o que o levou ao poder em novembro passado. Apesar de ter passado quase três décadas no Congresso, ele não fez nenhum esforço para construir uma coalizão de governo na legislatura multipartidária do Brasil.

Isso levou um agrupamento de partidos de centro e centro-direita, informalmente conhecido como o centrão, a exigir cargos lucrativos e influentes do governo em troca de protegê-lo do impeachment.

Roberto Jefferson, ex-deputado do centrão no Congresso que admitiu ter desempenhado um papel de liderança em um esquema de propinas em 2005, disse que a sobrevivência política de Bolsonaro agora depende de acordos com corretores de energia no centrão, muitos dos quais também foram contaminados por alegações de corrupção.

“Toda parte tem seus pecadores”, disse Jefferson em entrevista. “Quem é um santo nesse reino?”

Os empregos pelos quais os líderes do centrão estão buscando dariam a seus partidos discrição em bilhões de dólares.

A aliança emergente do centrão com Bolsonaro também daria aos seus membros influência significativa sobre um enorme plano de gastos em infraestrutura pública anunciado por um membro militar do governo em um esforço para gerar empregos. A economia deverá contrair entre 5% e 9% este ano.

Analistas políticos veem esses planos como um anátema aos objetivos de austeridade de Bolsonaro e seu compromisso de romper com o tipo de negociação de cavalos que causou níveis surpreendentes de corrupção no passado.

Moro, um ex-juiz federal que se tornou a figura mais visível de uma repressão nacional contra a corrupção iniciada em 2014, diz que não acredita mais que o governo esteja comprometido em erradicar a corrupção.

“Concordei em me juntar ao governo Bolsonaro para fortalecer a luta contra a corrupção”, disse ele em uma mensagem de texto ao The New York Times. “Desisti quando concluí que não teria capacidade de avançar nessa área”.

A maneira como o presidente lidou com a crise dos coronavírus e a saída de Moro decepcionou alguns de seus partidários mais ricos e com melhor educação. Mas uma recente pesquisa de opinião pública realizada pela Datafolha, uma empresa de pesquisa brasileira líder, mostrou que 33% dos entrevistados continuaram a apoiá-lo, sugerindo que sua taxa geral de aprovação permaneceu relativamente estável.

Ao longo de sua campanha e presidência, Bolsonaro se beneficiou de campanhas bem organizadas e ágeis de propaganda e desinformação que ultrapassaram a imprensa, contando com plataformas de mídia social e aplicativos de mensagens de texto.

“O direito político no Brasil tem o sistema mais sofisticado para contar com apoiadores para espalhar desinformação ao público”, disse Marco Ruediger, pesquisador da Universidade Fundação Getulio Vargas que estuda desinformação política online.

Mas essa vantagem estratégica se tornou uma responsabilidade, à medida que a polícia federal e um comitê do congresso investigam a estrutura e o funcionamento de comunidades on-line sombrias que apóiam o presidente. Entre os que estão sob investigação estão dois dos filhos do presidente, Eduardo e Carlos Bolsonaro.

O tratamento errático do presidente do coronavírus, que ele chamou de “mísero resfriado”, testou a resiliência de seus apoiadores on-line, disse Ruediger.

Mas uma base que parece ser firme são os cristãos evangélicos, que apoiaram Bolsonaro firmemente durante a campanha.

Bolsonaro nos últimos dias acenou para as questões que animam esse círculo eleitoral, lembrando-os de sua oposição ao aborto e afirmando falsamente que a Organização Mundial da Saúde promove a homossexualidade e incentiva as crianças a se masturbarem.

“Todos os principais líderes de igrejas evangélicas no Brasil, todos continuam apoiando-o da mesma maneira”, disse Silas Malafaia, líder de uma das mega-igrejas do país, em entrevista. “Bolsonaro só perderá nosso apoio se ele acabar envolvido pessoalmente na corrupção.”

Do NYT, com acréscimo de informações.

LEIA TAMBÉM
PGR recomenda que Itamaraty suspenda expulsão de diplomatas venezuelanos

Kim Jong-un reaparece em público vivinho da Silva

Aprovação de Trump sobe nos Estados Unidos, mesmo com críticas à sua luta contra o coronavírus

Em meio ao coronavírus, cresce o movimento “Cancele o Aluguel” nos Estados Unidos

Bolsonaro tic-tac, tic-tac, diz jornal americano The Washington Post

O jornal americano The Washington Post afirma nesta sexta-feira, 1º de Maio, que o presidente brasileiro Jair Bolsonaro está sentado em uma bomba-relógio de coronavírus prestes a explodir.

A publicação dos Estados Unidos recupera que nesta quinta-feira, 30, Bolsonaro continuou seu fluxo constante de fake news sobre o coronavírus no Facebook, desta vez violando as diretrizes da Organização Mundial da Saúde (OMS), sugerindo estranhamente que a agência de saúde das Nações Unidas incentiva a masturbação e a homossexualidade entre crianças.

O post, que foi removido, se encaixa na resposta desconcertante de coronavírus de Bolsonaro – uma marcada pela negação da escala da ameaça, raiva pelos bloqueios impostos pelos governadores estaduais, brigas profundas com alguns de seus funcionários do gabinete, a devastação ecológica acelerada da Amazônia e a disseminação constante do vírus na maior e mais populosa nação da América Latina.

O jornal relata que o presidente só conseguiu dar de ombros irritado na terça-feira, quando confrontado por repórteres sobre as mais de 5.500 mortes confirmadas de coronavírus do país. “E daí?” ele disse. “Eu sinto Muito. O que você quer que eu faça?”

O Brasil tem cerca de 80.000 casos confirmados de coronavírus, mas especialistas dizem que o número real é muito maior, potencialmente acima de 1 milhão. Os órgãos estão se acumulando nas principais cidades, já que as autoridades locais antecipam uma onda de casos, com o provável pico do surto ainda a algumas semanas de distância. A incerteza não é ajudada pelo fato de o governo Bolsonaro não testar a população.

“Desde a noite passada, os corpos deixaram o hospital na Barra da Tijuca, no Rio, porque o necrotério estava cheio. Hospital com falta de médicos. Situação no Rio piorando”, diz um tuíte de Dom Phillips, correspondente internacional no Rio.

O Brasil “testa 12 vezes menos pessoas que o Irã e 32 vezes menos que os Estados Unidos”, relataram jornalistas americanos, cita a matéria, uma métrica sombria, uma vez que os Estados Unidos ainda precisam intensificar seus próprios esforços de teste. “Pacientes hospitalizados não estão sendo testados. Alguns profissionais médicos não estão sendo testados. As pessoas estão morrendo em suas casas sem serem testadas.”

O resto do mundo está anotando. Os vizinhos do Brasil estão cada vez mais cautelosos com a abordagem negligente do país e temem que ele se torne um super espalhador continental. “Muito tráfego vem de São Paulo, onde a taxa de infecção é extremamente alta e não me parece que o governo brasileiro a esteja levando com a seriedade necessária”, disse o presidente argentino Alberto Fernández no fim de semana passado. “Isso me preocupa muito, para o povo brasileiro e também porque pode ser transportado para a Argentina.”

A Associated Press informa que as autoridades argentinas nas províncias limítrofes do Brasil estão trabalhando para montar corredores seguros para que os caminhoneiros brasileiros possam entrar no país e entregar suas mercadorias sem entrar em contato com os argentinos. Existem planos semelhantes em andamento no Uruguai.

O Paraguai fechou suas fronteiras e pelo menos em um caso cavou uma trincheira entre duas cidades fronteiriças para impedir travessias. O presidente venezuelano Nicolás Maduro – um inimigo de Bolsonaro encarregado de um país devastado pela crise – prometeu garantir “uma barreira epidemiológica e militar” ao longo da fronteira de sua nação com o Brasil.

Nos Estados Unidos, o governador da Flórida, o republicano Ron DeSantis, alertou para os riscos que os viajantes brasileiros vão para o seu estado, que abriga uma grande diáspora brasileira. “O Brasil tem grande capacidade científica e econômica, mas claramente sua liderança tem uma posição não científica no combate ao coronavírus”, disse DeSantis.

Essa é uma opinião compartilhada pelo ex-ministro da Saúde de Bolsonaro, que deixou seu cargo no mês passado em circunstâncias cruéis. Bolsonaro “começou a ter atitudes anti-saúde, incitando multidões, saudando um medicamento que não tinha nenhuma base científica”, disse Luiz Henrique Mandetta ao The Washington Post, referindo-se à dispensa do presidente da necessidade de bloqueios e sua obsessão por divulgar o propriedades curativas da hidroxicloroquina. “Acho que ele não me demitiu”, acrescentou Mandetta. “Ele despediu a ciência.”

Mas, para a sorte de Bolsonaro, a demissão de Mandetta é menos importante do que a saída de Sérgio Moro, o ministro da Justiça que deixou seu cargo em 24 de abril, mas não antes de denunciar Bolsonaro por tentar nomear um diretor-geral da Polícia Federal mais flexível, que teoricamente poderia impedir as investigações em andamento no país, inclusive os filhos do presidente.

As acusações contra seus familiares são condenatórias e, se comprovadas, podem levar ao possível impeachment do presidente, que já perdeu apoio considerável de aliados conservadores e centristas ao lidar com o surto do coronavírus. Nesta semana, o Procurador-Geral da República do país autorizou uma investigação sobre a suposta corrupção e obstrução da justiça do presidente.

Bolsonaro se encontrará quando com famílias de mortos e infectados pelo coronavírus?

O presidente Jair Bolsonaro (sem partido) tenta a todo custo se desvencilhar da responsabilidade das mais de 6 mil mortes por coronavírus e 87 mil casos de infecção confirmados.

Há especialistas afirmando que o Brasil está subnotificando a Covid-19 e os casos e mortes seriam até 10 vezes maiores.

É nesse contexto da “necropolítica” –a política da morte do governo federal brasileiro– que surge a pergunta desconcertante: Quando Bolsonaro se encontrará com famílias de mortos e infectados pelo coronavírus?

O governador de São Paulo, João Doria, possível candidato do PSDB à Presidência da República, em 2022, acusou nesta quarta (29) Bolsonaro de viver numa bolha e cobrou que o presidente visitasse hospitais que estão tratando pacientes de coronavírus.

No entanto, Bolsonaro continua apático e minimizando a letalidade do vírus. Nas redes sociais, seus seguidores espalham fake news dizendo que os caixões sepultados em covas coletivas estariam vazios e que as imagens seriam obras de comunistas para derrubar o “Messias”.

O desprezo de Bolsonaro pela realidade não sensibilizou seu aliado Donald Trump, presidente dos EUA, que também sofre desgastes com mortes, crise econômica e casos de coronavírus.

“No Brasil, [o número de mortes] está muito alto, se você olha o que está acontecendo, para os gráficos. É muito, muito alto. Quase vertical”, observou o presidente americano, que esta semana cogitou proibir voos para o Brasil.

“Eles [o Brasil] estão passando por um momento difícil, eles estão chegando [no modelo de imunidade de] rebanho. A Suécia chegou no rebanho”, disse Trump.

“O povo da Suécia é muito inteligente, eles estão ficando em casa, eles não estão saindo. Algumas pessoas, sim, eu acho, mas eles perderam muitas pessoas”, comparou o presidente dos Estados Unidos.

Donald Trump dirige uma nação cujo número de mortos pelo coronavírus em oito semanas ultrapassa o total de baixas militares americanas em oito anos de grande combate no Vietnã.

A exemplo de seu fã Bolsonaro, o presidente americano também é acusado pela mídia de ser pouco empático e frio em relação ao sofrimento das famílias. Mas há uma explicação crível para isso: eles são atendidos pelo mesmo marqueteiro, Steve Bannon.

Dito isso, podemos responder à pergunta grafa no título deste post com um provavelmente Bolsonaro “não” irá se reunir com as famílias de mortos e infectados pelo coronavírus.