Damares: “Poucos moradores de rua são contaminados pois ninguém pega na mão deles”

A ministra da Família do Bolsonaro, Damares Alves, disse nesta quinta-feira em coletiva de imprensa, que poucos moradores de rua foram contaminados pelo coronavírus no Brasil, porque “ninguém pega na mão deles”.

“Não são muitos. E por que não são muitos ainda? Ninguém pega na mão deles, ninguém abraça morador de rua. Infelizmente”, disse Damares.

Antes ela apresentou uma campanha de máscaras para crianças. As melhores vão tem o prêmio de conhecer a Primeira-Dama Michelle Bolsonaro. Oba!

Assista à fala da ministra:

Caiu na rede: A indignação e o bom humor com as “mortes de CNPJs”

A expressão “mortes de CNPJs” cunhada por um dos empresários que marchou com Bolsonaro ao STF nesta quinta causou diversas reações. A maior parte deles foi de revolta, mas algumas bem engraçadas.

O empresário fez uma metáfora para dizer que muitas empresas devem falir, ou morrer. Mas ninguém falou das 8.535 “mortes de CPFs” ocorridas até ontem.

O governador do Maranhão, Flávio Dino (PCdoB) escreveu:

“Ao cidadão que perpetrou a frase sobre “morte de CNPJ”, faria bem uma visita a um hospital para conhecer PESSOAS que estão lutando pela vida. É possível defender empresas sem desprezar a vida. Basta ter cérebro e coração.”

O jornalista Ricardo Cappelli compartilhou uma ilustração da escravidão e escreveu:

“Foto exclusiva” da marcha ao STF pela flexibilização das medidas de isolamento social. É possível ver a expressão de preocupação dos empresários com as mortes…de “CNPJ’s”. 

Já no campo do humorismo, algumas das frases cunhadas foram:

“Quando um CNPJ morre, ele vai para o paraíso fiscal.”

“Vontade de matar um CNPJ, né, minha filha?”

A marcha fúnebre de Bolsonaro e Guedes rumo ao STF

A fúnebre marcha do presidente Jair Bolsonaro (sem partido) e de seu ministro da Economia (kkk), Paulo Guedes, rumo ao Supremo, está rendendo “memes” nas redes sociais.

Um dos integrantes do séquito bolsonarista disse na reunião com o presidente do STF, Dias Toffoli, que “haverá morte de CNPJs” se a economia não for reaberta imediatamente.

“Alô, empresário explorador de trabalhador! Enfia o CNPJ no rabo! Morto não compra, idiota genocida!”, protestou pelo Twitter o ator José de Abreu.

O jornalista Leonardo Sakamoto, assustado pelo viu e ouviu, escreveu que “CNPJ não morre, gente é que morre. Mas CPF de pobre tem aos montes, morre um, coloca outro no lugar. Já foram mais de 8,5 mil por Covid-19. Mas esse pessoal ainda acha que é pouco.”

Além da frase “haverá morte de CNPJ”, outras pérolas foram ditas pelos empresários na reunião entre Bolsonaro, Toffoli e Guedes: “A indústria está na UTI”.

“Tem CNPJ morrendo de má gestão, mas o contador é obrigado a colocar que foi coronavírus!”, ironizou o internauta Daniel Cassol.

O deputado Ivan Valente (PSOL-SP) classificou a visita surpresa de Bolsonaro a Toffoli como a “Marcha da Morte”.

“Marcha da Morte! Bolsonaro junto com Guedes e empresários marcham até o STF para pedirem flexibilização do isolamento social. 600 mortes por dia, colapso na saúde, ajuda emergencial que não chega e Guedes diz que tem CNPJ que vai morrer, quem morre são pessoas e aos milhares”, indignou-se o parlamentar psolista.

A questão da “Morte de CNPJs” é mais uma evidência de que o bolsonarismo é nada empático com o sofrimento alheio, com perdas de vidas. Pelo contrário. Eles querem se aproveitar dessa tragédia humana, em plena pandemia de Covid-19, para se restruturar e maximizar o lucro. Ou seja, querem o financiamento público para demitir trabalhadores e salvar sua empresa da “má gestão” anterior a esse período especial.

LEIA TAMBÉM
UBES adia congresso por causa da pandemia e elege diretoria provisória

Ibaneis adia para 18 de maio reabertura do comércio no DF

Bolsonaro foi ao STF passar vergonha, diz Gleisi Hoffmann

BOLSONARO QUIS EMPAREDAR O STF E ACABOU TOMANDO UMA LIÇÃO SOBRE COMO GOVERNAR; ASSISTA

A marcha da comitiva presidencial ao Supremo Tribunal Federal nesta quinta-feira (7) acabou de forma constrangedora para o presidente Bolsonaro. Ele quis emparedar o Supremo para retomar o poder e romper o isolamento social na pandemia e saiu com uma lição prática sobre como governar.

Após ouvir as reclamações do presidente, do ministro Guedes e dos empresários que choram seus prejuízos e temem que as exportações aumentem com o fim da pandemia, Toffoli respondeu de maneira tranquila aquilo de deveria ser óbvio. Para reabrir a economia e planejar a saída do isolamento social, é preciso que o governo federal estabeleça um diálogo com os governos estaduais e municipais.

Ou seja, governar não é somente dar ordens como quer Bolsonaro. É preciso diálogo.

As sugestões de Toffoli foram simples e claras. A principal delas foi a criação de um gabinete de crise com a participação do governo federal, dos governos estaduais, com a área da saúde, com os trabalhadores e empresários. O Legislativo e o Judiciário também deveriam participar.
Sem o entendimento de todos os envolvidos, qualquer solução é vazia.

Bolsonaro foi ao STF passar vergonha, diz Gleisi Hoffmann

A presidenta nacional do PT, deputada Gleisi Hoffmann, comentou a marcha da comitiva presidencial ao Supremo Tribunal Federal nesta quinta-feira (7).

Gleisi escreveu no Twitter:

“No improviso, Bolsonaro vai ao STF com empresários e Paulo Guedes reclamar que a Economia está no chão e precisam de um plano para a retomada das atividades. Área da saúde não foi, nenhum governador, nem prefeito, nem trabalhador. É uma conspiração contra o povo brasileiro?!”

“Bolsonaro, q queria terceirizar o problema ouviu de Tofolli a sugestão que se faça um comitê de alto nível, com governadores, prefeitos, área da saude, para enfrentamento coordenado da crise. Poderia ter evitado passar essa vergonha.”

Bolsonaro e Guedes marcham ao STF com empresários para pressionar pela reabertura da economia

O presidente Bolsonaro, o ministro Paulo Guede e um grupo de empresários marcharam pela Praça dos Três Poderes e foram ao Supremo Tribunal Federal pressionar o ministro Dias Toffoli pela reabertura da economia com o fim do isolamento social.

Como já aconteceu em outros eventos com Bolsonaro, a marcha criou aglomero e expôs muitas pessoas ao risco de contaminação pelo Coronavírus. O encontro foi marcado de última hora e não estava previsto na agenda do presidente do tribunal.

Bolsonaro disse que assinará um decreto para ampliar a quantidade de atividades essenciais em meio à pandemia do novo coronavírus.

Participaram do encontro empresários e ministros, entre os quais Walter Souza Braga Netto (Casa Civil), Fernando Azevedo e Silva (Defesa) e Paulo Guedes (Economia). Segundo Guedes, foi uma “visita de cortesia”.

Parlamentares também acompanharam o encontro, entre os quais o senador Flávio Bolsonaro (Republicanos-RJ), filho do presidente da República, e o deputado Hélio Lopes (PSL-RJ).

Na reunião, as falas do presidente, do ministro Guedes e dos empresários foram no sentido de reclamar do isolamento social, da situação econômica e dos prejuízos dos empresários.

Em nenhum momento se falou em número de mortes, situações dos hospitais, fome, direitos dos trabalhadores, etc.

A ideia era acuar Toffolli para devolver a Bolsonaro o poder de decidir sobre a abertura da economia e o fim do isolamento social. O ministro do STF propôs a crianção de uma gabinete de crise, com a União, Estados e Municípios, para debater a reabertura da economia.

Bolsonaristas prometem derrubar o STF no final de semana
Militantes bolsonaristas da extrema direita prometem derrubar o Supremo Tribunal Federal à força neste final de semana.

No vídeo a seguir, os militantes dizem que no grupo há “vários militares da reserva” e que mais de “300 caminhões chegarão até o final de semana”.

Essa mobilização fascista vai se unir ao acampamento dos 300, liderados por Sara Winter, que está montado há semanas em Brasília.

Eles pedem o fechamento do Congresso e do STF para que o Brasil volte a ser uma ditadura liderada por Bolsonaro e seus filhos. Talquei?

Justiça obriga Bolsonaro a mostrar resultado de exame para Covid-19

O Tribunal Regional Federal da 3ª Região (TRF3), com sede em São Paulo, indeferiu um efeito suspensivo contra decisão que obriga o fornecimento de exames do presidente Jair Bolsonaro envolvendo o coronavírus. Essa decisão foi tomada pelo desembargador André Nabarrete.

Com isso, fica mantida a obrigação de a União a apresentar os laudos dos exames de detecção da covid-19 aos quais se submeteu o presidente da República — ao invés de relatórios médicos, como foi feito inicialmente pelo governo.

Segundo o desembargador, a urgência da tutela é inegável, porque o processo pandêmico se desenrola diariamente, com o aumento de mortos e infectados no País.

O Brasil tem 8.591 mortes provocadas pela Covid-19 e 126.890 casos confirmados na manhã desta quinta-feira (7).

“A sociedade tem que se certificar que o senhor presidente está ou não acometido da doença. Não convence, outrossim, o caráter satisfativo da medida, dado que o ocultamento da informação em nada tranquilizaria a população”, afirmou Nabarrete.

Esse juiz analisou um recurso da União de que a solicitação teria mero interesse jornalístico.

“À vista dos postulados da nossa Constituição, o direito de informar tem interesse público e que não é de menor importância, uma vez que se refere à saúde do senhor presidente da República, agente político máximo, no contexto de uma crise sanitária excepcional”, apontou.

Na quinta-feira (30), a juíza federal Ana Lúcia Petri Betto, da 14ª Vara Cível Federal de São Paulo, determinou que a AGU forneça os laudos de todos os exames feitos pelo presidente para a Covid-19.

A magistrada considerou que o relatório médico de Bolsonaro apresentado pela AGU na semana passada “não atendia de forma integral à determinação judicial” que deu acesso ao jornal “O Estado de S. Paulo” aos laudos dos exames do presidente para a Covid-19.

Quanto ao argumento de ilegitimidade ativa e falta de interesse de agir, esse juiz acrescentou que a função da imprensa é informar fatos relevantes para a sociedade. Segundo ele, só por isso, a ação já se justificaria.

“Quando se trata de uma autoridade de tamanha importância, cuja higidez física e mental é indispensável para o exercício do cargo do qual todos os brasileiros dependem, não há como se negar a utilidade da informação, legitimando qualquer meio de comunicação obtê-la. Se não bastasse, o conhecimento da saúde do Sr. Presidente é fundamental, à vista de suas funções, que demandam que circule, se locomova e tenha contato com cidadãos, num panorama de pandemia”, decidiu esse juiz do TRF3.

Ele também avaliou o argumento de que a União não seria parte legítima para estar no polo passivo da ação. Para o relator, todos os documentos que se relacionem ao conjunto de atos e condições de agente público político, no caso o chefe de estado e de governo, não são só relevantes para a história do País, mas constituem o acervo inalienável da nação.

Para o governo, o respeito à intimidade e à privacidade são direitos individuais – protegidos, portanto, como cláusulas pétreas da Constituição. E, sustenta a AGU, o fato de um indivíduo ser presidente da República não significa que ele não tenha, também, direito à intimidade e à privacidade.

Sobre a invocação da intimidade, privacidade e caráter personalíssimo da informação, André Nabarrete lembrou que a Lei de Acesso à Informação autoriza a obtenção dos exames médicos. Segundo o magistrado, informações pessoais podem ser liberadas, sem consentimento do interessado, quando necessárias ao interesse público e geral preponderante.

“Embora se entenda que, de maneira geral, a transparência, publicidade devem nortear os assuntos relativos ao senhor presidente da República, a situação de pandemia, pela gravidade que tem, inclusive reconhecida pela Lei nº 13.979, exacerba a necessidade e urgência da divulgação à sociedade dos exames médicos, para que não pairem dúvidas sobre a condição física da autoridade”, concluiu.

Por fim, o desembargador do TRF3 esclareceu que o pedido da ação é de obtenção de exames e não de relatório sobre exames, e a liminar assim foi deferida. “Na verdade, os médicos da presidência reportam o resultado de exames realizados por outrem. Apenas os próprios exames laboratoriais poderão propiciar à sociedade total esclarecimento”, escreveu.