FHC pede que Bolsonaro renuncie “antes de ser renunciado”

Publicado em 24 abril, 2020

O ex-presidente Fernando Henrique Cardoso (PSDB) resolveu se manifestar sobre o momento atual de deterioração do governo Bolsonaro.

FHC pede que Bolsonaro renuncie e poupe o País do processo de impeachment.

“É hora de falar. Pr está cavando sua fossa. Que renuncie antes de ser renunciado. Poupe-nos de, além do coronavírus, termos um longo processo de impeachment. Que assuma logo o vice para voltarmos ao foco: a saúde e o emprego. Menos instabilidade, mais ação pelo Brasil.”

“Moro confessou crimes e delatou Bolsonaro”, diz Gleisi Hoffmann
A presidenta nacional do PT, Gleisi Hoffmann (PR), criticou duramente o ex-juiz e ex-ministro da Justiça Sérgio Moro, que pediu demissão do cargo na manhã desta sexta-feira (24) atacando o presidente Jair Bolsonaro.

“A entrevista de Moro é uma confissão de crimes e uma delação contra Bolsonaro: corrupção, pagamento secreto de ministro, obstrução de justiça e prevaricação. Ele tinha de sair da entrevista direto para depor na Polícia Federal”, denunciou.

LEIA TAMBÉM:
Pronunciamento de Moro é prova dos crimes de Bolsonaro

Dino sobre coletiva de Moro: ‘Confessou mais uma ilegalidade’

Bolsonaro cometeu falsidade ideológica ao incluir assinatura de Moro em decreto

Ao anunciar sua saída do governo, Moro confessou que Bolsonaro queria mexer na PF para ter acesso a relatórios de inteligência – documentos confidenciais – produzidos pelo órgão. O ex-ministro disse que Bolsonaro insistiu na troca do comando da Polícia Federal, sem apresentar quaisquer justificativas. O senador Humberto Costa (PT-PE) disse que Moro fez uma delação premiada. “Ele é a principal testemunha dos crimes de responsabilidade cometidos pelo chefe do Executivo. Não há outro caminho que não o do impeachment”, alerta.

Outros petistas, como o ex-prefeito Fernando Haddad, também enxergam vários crimes de responsabilidade descritos por Moro. “Os ministros, especialmente os militares que ainda respeitam esse país, deveriam renunciar a seus cargos e forçar a renúncia.

O impeachment é processo longo. A crise sanitária e econômica vai se agravar se nada for feito”, pondera Haddad. O líder do PT na Câmara, Enio Verri (PR), defende a abertura de investigação.

“Moro sai ainda menor do que entrou”, comentou Gleisi. “O falso herói contra a corrupção protegeu os corruptos da família Bolsonaro e jamais defendeu a democracia ameaçada pelo chefe. Sai humilhado depois de fazer o serviço sujo. Mas uma pergunta o perseguirá: Cadê o Queiroz, Sergio Moro?”, cobrou.

A presidenta do PT também apontou que a demissão do ex-diretor-geral Maurício Valeixo pelo presidente da República não esconde os deslizes e crimes cometidos pelo delegado federal. “Ao contrário do que disse Moro, Maurício Valeixo cometeu crime ao desobedecer ordem do TRF-4 para soltar Lula em julho de 2018. E agiu a mando de Moro. Não é prova de autonomia, mas de politização da PF”, lembrou a deputada.

Com a prisão do ex-presidente Lula, líder das pesquisas para a corrida eleitoral de 2018, Sérgio Moro abriu caminho para a vitória de Jair Bolsonaro. Morou logo seria premiado pelo presente. O então juiz acertou sua ida para o Ministério da Justiça ainda durante a campanha. O convite para Moro ocupar a pasta da Justiça foi feito meses antes do fim da eleição, segundo o próprio vice-presidente, Hamilton Mourão.

Ela também estranhou o fato de Moro ter anunciado na coletiva em que confirmou sua demissão que havia feito um pedido ao presidente da República, quando aceitou o convite para integrar o Ministério da Justiça, ainda em 2018. Ele queria uma pensão para a família. Gleisi reagiu: “Moro e Bolsonaro têm obrigação de explicar a tal proteção financeira à família que ele exigiu para ser ministro. Isso é a nova política? Pagar ministro por fora? Isso é crime, gravíssimo. Mais na conta da quadrilha”.

Com informações do site do PT