Bolsonaro cometeu falsidade ideológica ao incluir assinatura de Moro em decreto

O agora ex-ministro e ex-juiz Sérgio Moro afirmou que não assinou o decreto de exoneração de Maurício Leite Valeixo e que foi pego de surpresa com o decreto. Isso significa que o presidente cometeu crime de falsidade ideológica ao incluir a assinatura de Moro sem que ele soubesse.

Também não verdade que o pedido de exoneração tenha sido a pedido do ex-diretor-geral da Polícia Federal, Maurício Leite Valeixo. O que seria mais um ato de falsidade ideológica.

Sérgio Moro fez um pronunciamento nesta sexta-feira (24) anunciando a sua saída do ministério de Bolsonaro. Moro jogou b**** no ventilador ao explicitar que a intenção de Bolsonaro era ter controle político da Polícia Federal.

Essa fala de Moro piora bastante o isolamento de Bolsonaro, que já está encrencado por causa dos ataques ao Legislativo e o Judiciário.

Confira o que diz o deputado David Miranda do PSOL:

Bolsonaro já escolheu o substituto de Moro
O presidente Jair Bolsonaro (sem partido) já escolheu quem substituirá Sérgio Moro no Ministério da Justiça e Segurança Pública.

Segundo o jornal O Globo, trata-se de Jorge Oliveira, atual ministro-chefe da Secretaria-Geral da Presidência.

LEIA TAMBÉM:
Globo perde dois ministros em uma semana

Moro já é “comunista” com demissão do diretor da PF; ministro convoca coletiva às 11h

Bolsonaro demite o diretor-geral da Polícia Federal Maurício Leite Valeixo

Três fontes ligadas a Bolsonaro ouvidas pelo jornal dão como certa que a saída de Moro do governo federal promoveria a transferência de Oliveira, que hoje acumula a Subchefia de Assuntos Jurídicos (SAJ) e é major da reserva da Polícia Militar do Distrito Federal.