Regina Duarte demite presidente da Funarte que afirmou que o rock leva às drogas, ao aborto e ao satanismo

Compartilhe agora

Dante Mantovani e Jair Bolsonaro.
A atriz Regina Duarte demitiu o maestro Dante Mantovani, discípulo de Olavo de Carvalho, da Fundação Nacional de Artes (Funarte). A exoneração de Mantovani foi publicada no Diário Oficial da União (DOU) desta quarta-feira (4), junto com a nomeação de Regina Duarte para o comando da Secretaria Especial de Cultura do governo Bolsonaro.

Nomeado em dezembro do ano passado pelo ex-secretário Roberto Alvim, Mantovani chamou atenção por teorias da conspiração que compartilhava em seu canal no YouTube. Em um vídeo, ele falou sobre sua crença de que o rock leva ao satanismo.

LEIA TAMBÉM:
“Fora, Regina Duarte”, gritam bolsonaristas horas antes da posse

Regina Duarte já foi ‘devota’ do socialista Fidel Castro, atacam bolsonaristas

“O rock ativa a droga, que ativa o sexo, que ativa a indústria do aborto. A indústria do aborto por sua vez alimenta uma coisa muito mais pesada que é o satanismo. O próprio John Lennon disse que fez um pacto com o diabo”, disse Mantovani.

Em outra gravação o maestro, que é aluno do Olavo, endossa teorias de que agentes comunistas infiltrados na CIA foram responsáveis por distribuir LSD para jovens em Woodstock. O objetivo final, diz ele, seria destruir a família, vista como “base” do capitalismo.

A pedido de Regina Duarte, outros cinco presidentes de órgãos da cultura nomeados por Alvim e que compunham a ala olavista da pasta foram demitidos. São eles: Camilo Calandrelli (Secretaria de Fomento e Incentivo à Cultura); Reynaldo Pereira (Secretaria da Economia Criativa); Marcos Azevedo (Secretário de Direitos Autorais e Propriedade Intelectual); Rodrigo Junqueira (Secretaria de Difusão e Infraestrutura Cultural); e Paulo Cesar Brasil ( Instituto Brasileiro de Museus).

A atriz tomará posse na Secretaria Especial da Cultura nesta quarta às 11h.

Com informações do O Globo.