Deputados vão criar a CPI da água no Rio de Janeiro

Compartilhe agora

A crise na Companhia Estadual de Água e Esgotos (Cedae) e a qualidade da água que chega às casas da população fluminense serão alvo de investigação na Assembleia Legislativa do Rio de Janeiro (Alerj).

Deputados obtiveram o número suficiente de assinaturas para a abertura de uma Comissão Parlamentar de Inquérito (CPI) nesta terça-feira (4), um dia depois de a Cedae detectar detergente na Estação de Tratamento do Guandu e paralisar o fornecimento de água por algumas horas.

Desde janeiro, moradores do Rio e da Baixada Fluminense reclamam da cor marrom, do cheiro e gosto de terra na água que chega nas torneiras. A Cedae atribuiu o problema à presença de geosmina, uma substância produzida a partir de um tipo de microalga.

A crise da Cedae, porém, é mais profunda e tem relação direta com manobras político-partidárias e com a gestão da companhia, que está no alvo das privatizações do governador Wilson Witzel (PSC).

LEIA TAMBÉM
Rio sem água: Volta às aulas é adiada pela Prefeitura

Tribunal de Justiça do RJ confirma a quebra de sigilo de Flávio Bolsonaro

Damares escolhe o Nordeste para receber implantação do plano ‘foda zero’

O presidente da Alerj, deputado André Ceciliano (PT), afirmou que o presidente da Cedae, Hélio Cabral, será convocado para prestar esclarecimentos sobre a crise no abastecimento. O parlamentar lembrou que os trabalhos de investigação de uma CPI têm prazo de 180 dias, que podem ser prorrogados, mas a solução para o abastecimento precisa ser imediata.

Segundo ele, também serão convidados os engenheiros que foram demitidos da companhia no início de 2019. A convocação deverá ser feita por uma das comissões permanentes da Casa nos próximos dias.

As informações são do Brasil de Fato.