Comissão de Ética da Presidência arquiva processo contra Fábio Wajngarten


A Comissão de Ética Pública da Presidência da República decidiu nesta terça-feira (18) arquivar a denúncia contra o secretário especial de Comunicação Social, Fábio Wajngarten, por não reconhecer conflito de interesse em sua participação na FW Comunicação e Consultoria, empresa fundada por ele.

A empresa tem como clientes emissoras de televisão e agências de publicidade, que recebem recursos de publicidade oficial do governo federal.

A Comissão de Ética Pública no Planalto decidiu por 4 votos a 2 arquivar denúncia contra Wajngarten, que detém a participação de 95% no quadro societário da empresa FW Comunicação & Marketing.

Reportagem da Folha de São de Paulo mostrou que a empresa da qual Wajngarten é sócio-fundador recebe dinheiro de emissoras de TV e agências de publicidade que mantém contratos com o governo federal – incluindo a própria secretaria comandada por ele.

LEIA TAMBÉM:

Polícia Federal abre inquérito contra chefe da Secom de Bolsonaro, Fábio Wajngarten

Chefe da Secom de Bolsonaro mentiu para Comissão de Ética Pública

A Folha repudia Bolsonaro, mas mantém intacto apoio a seu nefasto projeto econômico

A Folha mostrou também que o administrador da FW Comunicação & Marketing, Fabio Liberman, é irmão de Samy Liberman, o número 2 da Secom.

A Polícia Federal também abriu inquérito para apurar o caso, a pedido do Ministério Público Federal do Distrito Federal.