Bolsonaro diz que ‘bicho vai pegar’ com Forças Armadas no Ceará

O presidente Jair Bolsonaro (sem partido) afirmou nesta quinta-feira (20) em sua live semanal no Facebook que a situação no Ceará é de “guerra urbana” e que, com a chegada de militares ao estado, “o bicho vai pegar”.

O presidente assinou ontem um decreto no qual autorizou o envio de tropas das Forças Armadas ao Ceará para reforçar a segurança pública no estado.

LEIA TAMBÉM:
Reinaldo Azevedo pede cassação de Flávio e Eduardo Bolsonaro no Congresso Nacional

Cinema brasileiro é alvo de “sabotagem”, diz Kléber Mendonça

Requião: ‘procuradores do MPF têm mesma base genética de deputados’; assista ao vídeo

O Ceará enfrenta uma crise na segurança em meio a um motim de policiais militares. A categoria se diz insatisfeita com a proposta de reajuste salarial apresentada pelo governo local.

“O pessoal que está cometendo delitos, crimes nessas regiões, onde, por um motivo qualquer, por um motivo justo, estão indo as Forças Armadas para lá – tem que entender que o pessoal verde está chegando, e o bicho vai pegar. Porque, se é para tratar com flor essa galera, não fiquem enchendo nosso saco e vão pedir para outras instituições para cumprir esta missão”, afirmou Bolsonaro na live.

“Isso é coisa de responsabilidade, coisa séria. Se estamos em guerra urbana, temos que mandar gente para lá para resolver esse problema”, completou.

Na transmissão ao vivo, Bolsonaro voltou a defender a chamada excludente de ilicitude.

“Tenho conversado com a Câmara e com o Senado e, acabando o carnaval, vou procurar o Alcolumbre e o Maia e fazer um pedido para eles porque tenho um projeto lá dentro dizendo que, em GLO, os militares têm que ter excludente de ilicitude. Ou seja, acabou a missão, ele [militar] vai para casa”, disse o presidente.

Com informações do G1.