CUT orienta mobilização contra reforma da Previdência nos estados


A Central Única dos Trabalhadores (CUT) divulgou nota nesta segunda-feira (20) em que orienta os sindicatos filiados a “mobilizarem suas bases para resistir a mais essa ofensiva contra os trabalhadores”. Governadores de partidos de esquerda como Camilo Santana (PT-CE) e Flávio Dino (PCdoB-MA) aprovaram reformas regressivas que retiram direitos do funcionalismo público e atacam conquistas de aposentados e pensionistas em seus estados.

A CUT informa que vem acompanhando com muita preocupação mais este desmonte de políticas sociais promovidos por estados e municípios, que jogam nas costas dos trabalhadores o ajuste fiscal.

Segundo a central, “o país precisa urgentemente de políticas que fortaleçam o mercado interno e contribuam para a recuperação da nossa economia e não de medidas de retiradas de direitos”.

Leia a íntegra da nota:

Após a aprovação e a sanção da Reforma da Previdência pelo Congresso Nacional, os estados vêm aprovando em tempo recorde mudanças nos seus regimes de previdência estaduais e municipais, com a mesma orientação e propósitos que nortearam a reforma promovida pelo governo federal, ou seja, jogar nas costas dos trabalhadores e trabalhadoras o ajuste fiscal dos seus estados e municípios.

A Central Única dos Trabalhadores vem acompanhando com muita preocupação mais este desmonte de políticas sociais e públicas que vêm sendo implementadas em um momento em que o país atravessa uma crise sem precedentes, com milhões de desempregados. A CUT entende que o país precisa urgentemente de políticas que fortaleçam o mercado interno e contribuam para a recuperação da nossa economia e não de medidas de retirada de direitos.

LEIA TAMBÉM:

No Maranhão, Flávio Dino inicia a privatização da Companhia de Gás

Rui Costa do PT quer que aposentados contribuam com a Previdência na Bahia

No Ceará, governador do PT manda PM reprimir ato contra reforma da Previdência

Também queremos manifestar o nosso repúdio e preocupação, pois essas propostas de reformas vêm sendo realizadas sem nenhum debate ou negociação com as entidades representativas dos servidores públicos das diversas categorias, retirando direitos históricos dos trabalhadores e trabalhadoras nos estados.

A Central Única dos Trabalhadores orienta a todas as entidades filiadas, CUTs estaduais e ramos a mobilizarem suas bases para buscar todas as formas de resistência possíveis para impedir mais essa ofensiva contra os direitos dos trabalhadores e trabalhadoras.

Executiva Nacional da CUT