Samba-enredo da Mangueira terá protesto contra Bolsonaro e Witzel

Publicado em 14 outubro, 2019
Compartilhe agora!

A Escola de Samba da Estação Primeira de Mangueira do Rio de Janeiro já escolheu seu samba-enredo para o carnaval de 2020. A escolha foi na madruga do domingo (13) e o samba traz críticas às injustiças sociais, raciais e de gênero. Os alvos são o governador Witzel e o presidente Bolsonaro.

O Enredo vencedor desenvolvido por Leandro Vieira faz uma leitura crítica da biografia de Jesus Cristo. O samba traz nos versos a crítica social e política: “Não tem futuro sem partilha, nem Messias de arma na mão.”

LEIA TAMBÉM
Escola de Samba do Rio escolhe enredo com crítica ao ‘laranjal’ e às ‘fake news’; assista

Samba-enredo da Mangueira homenageia Marielle Franco; assista

É um protesto contra a violência que extermina o povo favelado, agravada durante os governos de Wilson Witzel (PSC) e de Jair Bolsonaro (PSL).

A mais tradicional Escola de Samba do Rio foi campeã neste ano (2019) homenageando a vereadora Marielle Franco (PSOL), assassinada ano passado.

Assista ao vídeo com o samba-enredo vencedor. A letra está logo abaixo:

Mangueira
Samba que o samba é uma reza
Se alguém por acaso despreza
Teme a força que ele tem
Mangueira
Vão te inventar mil pecados
Mas eu estou do seu lado
E do lado do samba também

Eu sou da Estação Primeira de Nazaré
Rosto negro, sangue índio, corpo de mulher
Moleque pelintra do Buraco Quente
Meu nome é Jesus da Gente

Nasci de peito aberto, de punho cerrado
Meu pai carpinteiro desempregado
Minha mãe é Maria das Dores Brasil
Enxugo o suor de quem desce e sobe ladeira
Me encontro no amor que não encontra fronteira
Procura por mim nas fileiras contra a opressão
E no olhar da porta-bandeira pro seu pavilhão

Eu tô que tô dependurado
Em cordéis e corcovados
Mas será que todo povo entendeu o meu recado?
Porque de novo cravejaram o meu corpo
Os profetas da intolerância
Sem saber que a esperança
Brilha mais que a escuridão

Favela, pega a visão
Não tem futuro sem partilha
Nem Messias de arma na mão
Favela, pega a visão
Eu faço fé na minha gente
Que é semente do seu chão

Do céu deu pra ouvir
O desabafo sincopado da cidade
Quarei tambor, da cruz fiz esplendor
E num domingo verde-e-rosa
Ressurgi pro cordão da liberdade.

Compartilhe agora!