Por Esmael Morais

Janio de Freitas vê reação de autoridades às ilegalidades da lava jato

O colunista Janio de Freitas, da Folha, afirma neste domingo (17) que houve esgotamento da complacência com os abusos de poder da lava jato. Segundo ele, a derrota da força-tarefa no

Publicado em 17/03/2019

O colunista Janio de Freitas, da Folha, afirma neste domingo (17) que houve esgotamento da complacência com os abusos de poder da lava jato.

Segundo ele, a derrota da força-tarefa no STF se deu quando as condições lhes foram mais favoráveis. “Até para avançarem ainda mais em poderes alheios”, escreveu.

O jornalista também percebe afinidades religiosas entre a lava jato e o governo de Jair Bolsonaro (PSL).

LEIA TAMBÉM
A lava jato quebrou o país

“Mas é possível que o desgoverno Bolsonaro, com o pasmo e a preocupação que causa, tenha dado contribuição involuntária, e ainda assim significativa, para o cansaço reativo onde reagir é menos conturbador”, anotou.

Janio ainda vê “inutilidade” do ex-juiz Sérgio Moro ocupando a vaga de ministro da Justiça porque, analisa, “o crime avança para mais brutalidade.”

“O ministro da carta branca que não pode indicar nem suplente de conselho”, lembra.

Para Janio de Freitas, as quatro derrotas dos integrantes da lava jato podem indicar “esgotamento da tibieza” com que autoridades se curvavam às ilegalidades da força-tarefa.

O estopim para a reação tardia dessas autoridades — às violações constitucionais e abusos de poder — foi a criação do fundo privado por Deltan Dallagnol com R$ 2,5 bilhões da Petrobras.