21 de Janeiro de 2018
por esmael
20 Comentários

TRF-4 é incompetente para julgar Lula no caso do tríplex, diz colunista da Folha

O veterano jornalista Janio de Freitas, colunista da Folha, afirma neste domingo (21) que o TRF-4 é foro incompetente para julgar o caso do tríplex atribuído ao ex-presidente Lula. Leia mais

18 de agosto de 2016
por esmael
20 Comentários

Janio de Freitas, da Folha de S. Paulo, vê STF participando de golpe de Estado

janio_freitasO veterano jornalista Janio de Freitas, colunista do jornal Folha de S. Paulo, que não é petista, afirma que Dilma e Lula não tentaram obstruir a Lava Jato, como pretende o juiz Sérgio Moro. Para o articulista, o Supremo se curva ao magistrado para dar azo ao golpe de Estado.

28 de junho de 2015
por esmael
25 Comentários

Colunista da Folha vê “violações” e “sadismo” na Lava Jato

do Brasil 247
moro_veja_janio

O jornalista Janio de Freitas desfere duras críticas em diversos aspectos da Operação Lava Jato em sua coluna deste domingo 28. “É preciso estar muito entregue ao sentimento de vingança para não perceber certo sadismo na Lava Jato”, conclui o colunista, que aponta “violações” e “sadismo” na investigação comandada pelo juiz Sérgio Moro.

Para ele, “o exemplo mais perceptível e menos importante” do citado “sadismo” são “as prisões nas sextas-feiras, para um fim de semana apenas de expectativa penosa do preso ainda sem culpa comprovada”. Entre os políticos, diz Janio, “a hipocrisia domina”, uma vez que “são milhares” os que recebem doações de empreiteiras e bancos. “Houve mesmo jantares de arrecadação no Alvorada e pagos pelos cofres públicos. Ninguém na Lava Jato sabe disso?”, pergunta, em menção a FHC.

Janio critica o “jorro contínuo de vazamentos” de informações que seriam “sigilosas” da Polícia Federal, mas ressalta que “a imprensa é que faz o sensacionalismo. É. Com o vazamento deformado e o incentivo deformante vindos da Lava Jato”. O jornalista aponta ainda que ocorre, com os “vazamentos deformantes”, o “desvio da suspeita”, como no caso do bilhete de Marcelo Odebrecht, que teria pedido para “destruir” um e-mail.

Abaixo, leia a íntegra do artigo de Janio de Freitas:

21 de novembro de 2013
por esmael
9 Comentários

Colunista da Folha de S. Paulo cobra punição a Barbosa no CNJ

do Brasil 247 Joaquim Barbosa deve ser enquadrado pelo Conselho Nacional de Justiça, que ele mesmo preside. à‰ o que diz o colunista da Folha Janio de Freitas. Segundo ele, o presidente do STF cometeu uma série de erros nas prisões dos réus da AP 470 e colocou a vida de Genoino em risco.

No momento em que determinou a execução de prisões de 12 condenados no mensalão durante feriado da Proclamação da República, Barbosa desrespeitou uma resolução do CNJ, expedida em 2010, que regulamenta o trâmite para o início do cumprimento das penas de prisão (saiba mais).

Leia o artigo do Janio de Freitas:

O show dos erros

O estado de Genoino já era conhecido quando Joaquim Barbosa determinou que o sujeitassem à  viagem

No primeiro plano, o espetáculo criado para a TV (alertada e preparada com a conveniente antecedência) mostrou montagem meticulosa, os presos passando pelos pátios dos aeroportos, entrando e saindo de vans e do avião-cárcere, até a entrada em seu destino. Por trás do primeiro plano, um pastelão. Feito de mais do que erros graves: também com o comprometimento funcional e moral de instituições cujos erros ferem o Estado de Direito. Ou seja, o próprio regime de democracia constitucional.

Os presos na sexta-feira, 15 de novembro, foram levados a exame de condições físicas pela Polícia Federal, antes de postos em reclusão. Exceto José Genoino, que foi dispensado, a pedido, de um exame obrigatório. Experiente, e diante de tantas menções à  saúde inconfiável de José Genoino, o juiz Ademar Silva de Vasconcelos, a quem cabem as Execuções Penais no Distrito Federal, determinou exame médico do preso. Era já a tarde de terça-feira, com a conclusão de que Genoino é portador de “doença grave, crônica e agudizada, que necessita de cuidados específicos, medicamentosos e gerais”.

José Genoino não adoeceu nos primeiros quatro dias de sua prisão. Logo, deixá-lo esses dias sem os “cuidados específicos”, enquanto aqui fora se discutia se é o caso de cumprir pena em regime semiaberto ou em casa, representou irresponsável ameaça a uma vida –e quem responderá por isso?

A rigor, a primeira etapa de tal erro saiu do Supremo Tribunal Federal. A precariedade do estado de José Genoino já estava muito conhecida quando o ministro Joaquim Barbosa determinou que o sujeitassem a uma viagem demorada e de forte desgaste emocional. E, nas palavras de um ministro do mesmo Supremo, Marco Aurélio Mello, contrária à  “lei que determina o cumprimento da pena próximo ao domicílio”, nada a ver com Brasília. O que é contrário à  lei, ilegal é.

O Conselho Nacional de Justiça, que, presidido por Joaquim Barbosa, investe contra juízes