Por Esmael Morais

Movimentos publicam nota contra interferência de Bolsonaro na Venezuela

Publicado em 18/01/2019

Movimentos sociais populares do Brasil divulgaram nesta sexta-feira (18) uma nota de repúdio ao posicionamento do Itamaraty sobre o governo recém-empossado de Nicolás Maduro na Venezuela.

O texto publicado pelo portal Brasil de Fato afirma que a atitude do governo Bolsonaro (PSL) “cobre de indignidade o governo brasileiro e representa escandalosa violação do direito internacional”.

LEIA TAMBÉM: Gleisi Hoffmann: A quem interessa uma intervenção na Venezuela?

Em nota emitida após reunião do ministro de Relações Exteriores, Ernesto Araújo, com líderes opositores venezuelanos, o Itamaraty afirma que o governo Maduro está “baseado na corrupção generalizada, no narcotráfico, no tráfico de pessoas, na lavagem de dinheiro e no terrorismo”.

Os movimentos afirmam que as acusações feitas são difamatórias e sem provas, e que “desnudam o despreparo dos novos mandatários e sua submissão ilimitada aos interesses da Casa Branca”.

Leia a nota na íntegra:

APOIAMOS A SOBERANIA DO POVO VENEZUELANO E O MANDATO CONSTITUCIONAL DE NICOLÁS MADURO

A recente nota do Itamaraty sobre o governo Nicolás Maduro cobre de indignidade o governo brasileiro e representa escandalosa violação do direito internacional. Suas acusações difamatórias e sem provas desnudam o despreparo dos novos mandatários e sua submissão ilimitada aos interesses da Casa Branca.

Suas palavras não têm nenhum valor, por buscarem ocultar a realidade venezuelana: desde que Hugo Chávez tomou posse como presidente do país, em 1999, ocorreram 23 processos eleitorais ou referendos nacionais, nenhum partido de oposição jamais foi interditado e a mídia oposicionista continuou a existir livremente. Ao contrário dos inimigos do povo, que ansiando controlar o petróleo, recorreram de forma contumaz a expedientes golpistas e ilegais, com atos terroristas, como aconteceu na última semana, em que queimaram depósitos de remédios.

Os governos de Hugo Chávez e Nicolás Maduro jamais atuaram fora das regras constitucionais.

As eleições de maio de 2018, foram acompanhadas por mais de 200 observadores internacionais, como o ex-primeiro-ministro da Espanha, José Luis Rodríguez Zapatero, o ex-presidente do Equador, Rafael Correa, o ex- embaixador do Brasil, Samuel Pinheiro e o representante da Comissão Central Eleitoral da Rússia, Vasili Likhachev, entre outros e outras.

Contaram também com a participação do Conselho de Especialistas Eleitorais da América Latina (CEELA), que vem observando os últimos pleitos na Venezuela.

Os ataques mentirosos e levianos da chancelaria brasileira, na verdade, são parte de uma escalada diplomática que tem como objetivo preparar as condições para uma intervenção militar estrangeira.

Ao reconhecer alguns dirigentes da Assembleia Nacional como “governo interino”, o governo Bolsonaro participa de um ato de usurpação, sem qualquer amparo legal e à revelia da soberania popular. O Itamaraty se revela domesticado às pretensões do governo estadunidense, que escolheu esse caminho para aprofundar a ingerência e a sabotagem contra o povo venezuelano.

As acusações de terrorismo e narcotráfico são algumas das difamações destinadas a criar, na opinião pública brasileira e latino-americana, um clima favorável à agressão imperialista da qual o governo Bolsonaro se oferece como cúmplice servil.

Todos sabemos que a pressão contra a Venezuela não é por democracia, mas sim pelas reservas de petróleo, das quais as empresas transnacionais querem se apoderar.

Diante desse descalabro, os movimentos populares da cidade e do campo, em conjunto com todas as forças progressistas, repudiam essa postura do governo brasileiro e conclamam à resistência contra qualquer iniciativa que tenha como intenção violar a soberania, a democracia e a situação econômica na República Bolivariana da Venezuela.

São Paulo, 18 de janeiro de 2019

ASSINAM ESTE MANIFESTO:

Central dos Trabalhadores e Trabalhadoras do Brasil – CTB
Central Única dos Trabalhadores – CUT
Comitê Brasileiro pela Paz na Venezuela
Confederação Nacional dos Metalúrgicos
Conselho Indigenista Missionário – CIMI
Federação Única dos Petroleiros – FUP
Levante Popular da Juventude
Marcha Mundial das Mulheres – MMM
Movimento dos Atingidos por Barragens – MAB
Movimento Camponês Popular – MCP
Movimento pela Soberania Popular da Mineração – MAM
Movimento de Mulheres Camponesas – MMC
Movimento dos Pequenos Agricultores – MPA
Movimento dos Pescadores e Pescadoras – MPP
Movimento dos Trabalhadores Rurais Sem Terra – MST
Movimento de Trabalhadoras e Trabalhadores por Direitos – MTD
Movimento Paulista de Solidariedade a Cuba
Pastoral da Juventude Rural – PJR
Rede de médicos e médicas Populares
Sindicato dos Metalúrgicos do ABC
União Brasileira de Mulheres – UBM
Intelectuais e amigos da Venezuela:
Breno Altman – Jornalista
Cláudio Katz – Intelectual e Economista Argentino
Fernando Morais – Escritor e Jornalista
Horácio Martins de Carvalho – Cientista Social e Agrônomo
José Reinaldo Carvalho, jornalista, editor do site Resistência e diretor do Cebrapaz
João Pedro Stedile – Via Campesina
Marco Antônio Santos – Psicólogo – SP
Olímpio dos Santos – Sindicato dos Engenheiros no Estado do Rio de Janeiro
Pe. José Oscar Beozzo – professor de História da Igreja na América Latina
Roberto Amaral – Escritor
Socorro Gomes, presidenta do Conselho Mundial da Paz