Por Esmael Morais

Gleisi: “Nós avisamos que a desigualdade iria aumentar no Brasil”

Publicado em 26/11/2018

Foto: Giorgia Prates

A presidenta nacional do PT, Gleisi Hoffmann, lamentou nesta segunda-feira (26) o aumento da desigualdade de renda após 15 anos de recuos.

O presidente eleito Jair Bolsonaro (PSL) deverá lançar no ano que vem o programa Mais Pobres, que visa a concentração de renda entre os mais ricos.

“Avisamos que isso iria acontecer. Num país tão desigual como o Brasil, precisamos de um Estado forte, com políticas indutoras de desenvolvimento e programas de proteção social. Temer-Bolsonaro fazem exatamente ao contrário. Só vai piorar. Tristeza profunda”, condoeu-se.

LEIA TAMBÉM
Natal com Lula

Segundo relatório divulgado hoje pela Oxfam, a desigualdade de renda no Brasil ficou estagnada em 2017 pela primeira vez nos últimos 15 anos.

Com a queda da renda para os mais pobres — e o consequente aumento de 11% do número de pobres no ano passado — o Brasil subiu um degrau no ranking mundial de desigualdade de renda, passando a ser o 9º país mais desigual.

A parceira Michel Temer-Jair Bolsonaro também fez muito mal para as mulheres, de acordo com o documento da Organização Não Governamental Oxfam. Pela primeira vez em 23 anos, a renda média das mulheres caiu em relação à dos homens. “O país estagnou em relação à redução das desigualdades, e o pior: podemos estar caminhando para um grande retrocesso”, afirma a entidade.

Pelos números da Oxfam, Bolsonaro deverá acelerar o ritmo de “africanização” do Brasil. Luiz Inácio e Gleisi avisaram antes que isso iria acontecer.

Confira os principais tópicos do relatório da Oxfam:

* Número de pobres cresceu 11% em 1 ano, atingindo 15 milhões de brasileiros 2017 (7,2% da população);

* Rendimentos do trabalho dos 10% de brasileiros mais ricos cresceram 6% de 2016 para 2017; já entre os 50% mais pobres, a renda caiu 3,5%;

* Rendimento médio do 1% mais rico é 36,3 vezes maior que o dos 50% mais pobres;

* Pela 1ª vez em 23 anos, a renda média das mulheres caiu em relação à dos homens, de uma proporção de 72% para 70%;

* A diferença salarial entre negros e brancos também aumentou: em 2017, negros ganhavam em média 53% dos rendimentos médios de brancos, ante 57% em 2016;

* Volume de gastos sociais no Brasil retrocedeu ao patamar de 2001;

* Pela 1ª vez desde 1990, o Brasil registrou alta na mortalidade infantil, que subiu de 13,3, em 2015, para 14 mortes por mil habitantes em 2016.

Veja o ranking dos países mais desiguais do mundo:

1º África do Sul
2º Namíbia
3º Botsuana
4º Zâmbia
5º República Centro-Africana
6º Lesoto
7º Moçambique
8º Reino de Eswatini
9º Brasil
10º Colômbia