Por Esmael Morais

Em nota, PT afirma que condenação de Lula foi uma operação política

Publicado em 11/11/2018

A direção nacional do Partido dos Trabalhadores divulgou uma nota no final da tarde deste domingo (11) sobre a gravidade da usurpação confessada à Folha pelo general Villas Bôas para impedir que o Supremo Tribunal Federal (STF) concedesse habeas corpus ao ex-presidente Lula.

LEIA TAMBÉM:
Bolsonaro não representa os militares no poder, diz comandante do Exército

Segundo o partido, existiu um conluio entre o judiciário, a velha mídia e a cúpula das Forças Armadas para que o ex-presidente continuasse preso e não pudesse ser candidato a presidência da República.

“Está demonstrado, agora, que não apenas o sistema judicial ligado a Sergio Moro, a Rede Globo e a grande mídia participaram dessa operação arbitrária e antidemocrática, mas também a cúpula das Forças Armadas”, diz trecho da nota.

Confira a íntegra da nota:

Nota do Partido dos Trabalhadores de repúdio à tutela militar

É grave a entrevista do comandante do Exército, general Villas Bôas, na qual ele confessa ter interferido diretamente para impedir o Supremo Tribunal Federal de conceder habeas corpus ao ex-presidente Lula, em abril deste ano.

Ao afirmar que, a seu critério, a liberdade de Lula seria motivo de “instabilidade”, o general confirma que a condenação do maior líder político do país foi uma operação política, com o objetivo de impedir que ele fosse eleito presidente da República.

Está demonstrado, agora, que não apenas o sistema judicial ligado a Sergio Moro, a Rede Globo e a grande mídia participaram dessa operação arbitrária e antidemocrática, mas também a cúpula das Forças Armadas.

O general Villas Bôas afirma querer “despolitizar” as Forças Armadas, mas sua confissão compromete os comandos militares com o golpe e demonstra que eles exercem de fato uma tutela inconstitucional sobre as instituições, jogando inclusive com a liberdade de um cidadão injustamente condenado.

A entrevista compromete a cúpula das Forças Armadas com a visão autoritária do processo político de Jair Bolsonaro, que faz graves ameaças à oposição, por meio de declarações e textos que circulam nas redes sociais.

O PT conclama as forças democráticas do país a repudiar e denunciar a usurpação confessada pelo general Villas Bôas e a defender a democracia contra as ameaças de Bolsonaro. Não há limites para a tirania depois que ela se instala.

Comissão Executiva Nacional do PT