Amigo de Parente, Moro critica caminhoneiros em despacho

O juiz Sérgio Moro, amigo de Pedro Parente, presidente da Petrobras, criticou hoje (25) em despacho a greve dos caminhoneiros. De acordo com o magistrado, é “excessivo” o boqueio de estradas pelos manifestantes.

Moro entra em rota de colisão com os brasileiros ao pedir “bom-senso” aos grevistas e nada dizer sobre os aumentos abusivos nos combustíveis praticados pela estatal.

Desde outubro de 2016, a Petrobras adota política de reajuste atrelada à variação cambial e à cotação internacional do petróleo, o que enche de felicidade os acionistas privados da companhia.

O juiz Sérgio Moro, além de condenar réus sem provas, agora também virou comentarista político:

“Há um movimento de paralisação de motoristas de caminhões nas estradas brasileiras. Há uma pauta de reivindicação legítima da respeitável categoria e que deve ser avaliada pelas autoridades competentes. No entanto, o prolongamento excessivo da paralisação e que inclui o questionável bloqueio de rodovias tem gerado sérios problemas para a população em geral, com prejuízo principalmente para o abastecimento de alimentos e de combustíveis nas cidades.”

No despacho, Moro suspendeu uma audiência prevista para segunda (28) em que FHC seria ouvido como testemunha do ex-presidente Lula no caso do sítio de Atibaia (SP).

Em tempo: a Petrobras foi uma das patrocinadoras da festa em homenagem a Sérgio Moro, no último dia 15, em Nova Iorque.

Comentários encerrados.