‘Comparar Bolsonaro com Trump é crueldade contra o presidente dos EUA’, diz jornal alemão

Compartilhe agora

O Süddeutsche Zeitung, maior jornal diário e de maior circulação na Alemanha, chamou o deputado Jair Bolsonaro (PSL-RJ) de “mentiroso” e afirmou que comparar o ex-capitão do Exército com o presidente dos Estados Unidos, Donald Trump, seria um pouco cruel. “Tirando o seu fervor ultracatólico, o resto é tudo mentira”, cravou o alemão.

Süddeutsche Zeitung – Jair Messias Bolsonaro, 13/02/2018, via Deutsche Welle (DW Brasil).

Sobre Jair Bolsonaro ouve-se e lê-se com frequência que ele é o Donald Trump do Brasil. Isso talvez seja um pouco cruel – com Trump. Além disso, é errado. Sem dúvida há paralelos entre o presidente dos Estados Unidos e o brasileiro candidato à Presidência. Ambos xingam contra minorias e jornalistas, consideram o homem branco o ápice da criação, aparentemente passam grande parte do dia tuitando besteiras e são, de qualquer forma, contemporâneos desagradáveis. Mas se isso bastasse para ser um novo Trump haveria milhões de Trumps por aí.

Sobretudo porque Bolsonaro, de 62 anos, diferencia-se radicalmente do principiante da política em Washington: ele não é um iniciante, um antipolítico. (…) Durante quase três décadas quase ninguém levou a sério o deputado Bolsonaro, afora sua clientela radical. A novidade agora é que ele tenha encontrado ouvidos para as suas tiradas.

Bolsonaro nasceu em 1955 numa pequena cidade de São Paulo. Seu pai lhe deu o segundo nome de Messias. Isso combina com a sua autoencenação: cristão, próximo do povo, duro, honesto, incorruptível. Tirando o seu fervor ultracatólico, o resto é tudo mentira.

Bolsonaro é dono de vários imóveis de luxo, que ele jamais poderia ter comprado com seu salário de deputado. Apesar disso, ele incita ao ódio contra a elite corrupta. De forma bizarra, ele atinge com esse discurso justamente os brasileiros mais ricos e instruídos: a elite. Esses têm até outubro para entender que cada voto para esse messias de direita é um voto contra a democracia.