Por Esmael Morais

Richa diz que está fácil enfrentar o PT, rifa Aécio e aponta Alckmin para 2018

Publicado em 13/11/2016

“Quando se está mal, todos passam ter muita chance”, filosofa, porém, afirma que não existe morte definitiva em política ao falar do senador mineiro Aécio Neves.

Entretanto, o tucano avalia que agora é a vez do governador de São Paulo Geraldo Alckmin disputar a Presidência da República porque, segundo ele, “a força do PSDB está aqui [em São Paulo]’.

Alckmin e Richa têm semelhanças pelo tratamento truculento que dispensaram a estudantes e professores. Ambos massacraram manifestantes com bombas, cassetetes, spray de pimenta, bala de borracha, dentre outras maldades.

Hospedado num hotel de luxo na capital paulista, Richa concorda que o PT é importante para a democracia, mas ressalva que “o modelo deles está vencido”.

O governador do Paraná isenta o ilegítimo Michel Temer (PMDB) pelo recebimento de propina num cheque nominal de R$ 1 milhão. Para Richa, a candidatura era Dilma/PT e não Temer, que era vice.

O tucano se diz contra eventual cassação de Temer: “Uma ruptura agora voltaria tudo à estaca zero”.

Beto Richa, na frente de Dilma Rousseff, também jurava ser contra o impeachment… Mas pelas costas…