Alvaro: governo deveria coibir fraudes em fundos de pensão, antes de prejudicar trabalhadores com mudanças na previdência

alvaro_diasO senador Alvaro Dias (PV-PR), em sua coluna desta quarta (23), dá um peteleco no governo interino de Michel Temer (PMDB) ao relacionar fraudes em fundos de pensão com o aumento para 70 anos a idade de aposentaria.

“O governo Federal, antes de pretender prejudicar os trabalhadores com a mudança da Previdência Social, devia atuar para melhorar a legislação vigente e para recuperar os bilhões que foram desviados”, recomendou o parlamentar verde.

Segundo Alvaro, os fundos de servidores municipais e estaduais movimentam cerca de R$ 180 bilhões. Citando a PF como fonte, o senador diz que gestores desses fundos recebem comissão para investir dinheiro dos servidores em aplicação de risco.

“O administrador desfalca o dinheiro das pessoas e depois a população é chamada a contribuir com mais dinheiro para tapar os buracos que ficaram”, resume.

Abaixo, leia, ouça, comente e compartilhe a íntegra do texto:

Download do áudio

Fraudes em fundos de pensão

Alvaro Dias*

Encaminhei ao Procurador-Geral da República, Rodrigo Janot, para a adoção de medidas cabíveis, informações que solicitei da Previdência Social sobre fraudes em fundos de pensão de servidores estaduais e municipais de todo o país. Também cobrei do governo Federal e do Congresso Nacional a aprovação de uma legislação mais rigorosa para inibir as fraudes.

Não fosse o trabalho competente da Polícia Federal, seguramente diversos fundos previdenciários seriam lesados e os responsáveis pelos crimes não seriam punidos. De acordo com a documentação recebida, fundos de investimentos abertos a todo o mercado recebiam apenas aplicações de dinheiro ligado aos fundos de pensão municipais e estaduais. Com a apuração da PF, descobriu-se que os gestores de diversos desses fundos de pensão recebiam comissão ao investir o dinheiro dos servidores em aplicações de risco e pouco rentáveis, sugeridas por organizações criminosas.

Lamentavelmente, quando os recursos dos fundos não forem suficientes para o pagamento das aposentadorias e pensões dos servidores, a população de estados e municípios que tiveram fundos dilapidados é que vai pagar a conta por meio do pagamento de impostos. Parece que até virou moda no Brasil. O administrador desfalca o dinheiro das pessoas e depois a população é chamada a contribuir com mais dinheiro para tapar os buracos que ficaram.

Fundos de servidores municipais e estaduais movimentam cerca de R$ 180 bilhões. Servidores de 2.050 municípios contam com esses fundos. Não podem, portanto, os administradores atuar de forma irresponsável ou criminosa, aplicando os recursos de maneira inconsequente ou buscando burlar as regras destinadas a garantir uma melhor gestão, e apropriar-se, de forma indevida, desses recursos que pertencem a todos que contribuem.

Efetivamente, é necessário abrir a caixa-preta dos fundos previdenciários e atuar para reformular a legislação aplicável a eles, sob pena de amanhã não haver mais dinheiro. O governo Federal, antes de pretender prejudicar os trabalhadores com a mudança da Previdência Social, devia atuar para melhorar a legislação vigente e para recuperar os bilhões que foram desviados.

*Alvaro Dias é senador pelo Partido Verde. Ele escreve nas quartas-feiras para o Blog do Esmael sobre “Ética na Política”.

16 Comentários

Os comentários não representam a opinião do Blog do Esmael; a responsabilidade é do autor da mensagem, sujeito à legislação brasileira.

  1. Cego ou caolho Riquelme?
    Pior cego é aquele que não quer ver.
    A cegueira é proposital!

  2. País de Bandido Dr. Álvaro Dias. É assim que funciona aqui.
    E mais preocupante é que no STF tem um grupo que está cego ou pelo menos caolho para não enxergar o que está acontecendo. Estivemos no caminho certo da esperança num Brasil novo e limpo de corrupção , mas estamos vendo que não vai acontecer. Lula está bem escudado lá em cima. De. Gil mar Mendes meteu os pés pelas mãos pra proteger Dias Toffoli.
    FICA AQUI MINHA SUGESTÃO
    O BRASIL NÃO COMPORTA TER STF VITALÍCIO. JÁ FOI O TEMPO QUE TIVEMOS JUÍZES SÉRIOS E IMPARCIAIS LÁ EM CIMA. HOJE ENTRA QUALQUER UM ATÉ ADVOGADO DE SINDICATO. PENSE POR FAVOR EM MUDAR ESTA LEI.

  3. O seu projeto de golpista vai catar coquinhos na esquina.aproveita e leva o tal moro ele e entreguista e trairà como voce.

  4. O que é uma “fraudezinha” nos fundos de pensão, diante do roubo feito
    na cara dura e mão grande aqui no Paraná, do pecúlio previdenciário dos
    funcionários públicos e professores?
    E tudo avalizado e legalizado pela “deputaiada” da base do governo.
    A verdade que os fundos de pensão são usados pelos governos, como uma
    extensão do órgão público que os origina, servindo assim para serem
    “aparelhados”, para servirem como cabide de emprego, e para terem seus
    recursos disponíveis para qualquer emergência ou falcatrua.
    Senador Dias, tem jeito de fazer um projeto, costurando tudo isso, contra
    os achaques governamentais?

  5. Tudo balela!conversa para boi dormir!

  6. Álvaro Dias era do PSDB, foi para o PV. Mas ainda sente saudades do velho tucanato. Seu histórico político é um enigma: já é o 6° partido em que é militante. Ou seja: não tem nenhum ideal político. Quando muito, interesses próprios.

  7. Esse “senadorzinho” hipócrita e vagabundo acha que seus comentários pode esconder a sua velhaquice e mau caratismo. Vai catar coquinho na ladeira seu patife.

  8. Chamo atenção para o último parágrafo:

    Por quê o Senhor Álvaro mistura INSS com ” Fundos “? É intencional?

    São duas cousas muito diferentes.

    As fraudes da previdência INSS prejudicam sim os trabalhadores. Não me consta que algum administrador tenha aplicado mal os recursos do INSS, até porque o saldo é fechado mês a mês.

    A má administração é mesmo nos Fundos
    Das chamadas aposentadorias complementares.

    E isso não estranha pois apesar de serem fundos supridos com dinheiro publico foram criados com essa intenção mesmo. Enganar.

    Melhor análise merece o Fundo do Judiciário, MP, Legislativos, Executivos e outros grupos públicos Mas isso é para especialista pois nunca li.

    É assunto blindado na mídia.

  9. Sr. Álvaro,

    Pois faça o senhor um projeto de lei corrigindo a distorção. Acaso não é tarefa sua?

    • Opa ENEM! Concordo com vc! O Sr. Senador pode fazer isto, se é verdade que está preocupado com o vergonhoso escândalo nacional.

  10. Sr. Álvaro.

    Quando o seu partido o PSDB de FHC criou as providências complementares avisamos, prevenimos, tentamos evitar.

    Pois aí estao cumprindo o objetivo. Jogar fortunas nas mãos dos larápios das corretoras de títulos.

    Todos os trabalhadores deveriam estar cobertos pelo velho e bom INSS. Estariam contribuindo com o mesmo, não haveria déficit. Assim é na Alemanha. Uma caixa pública única.

    Mas não. Criou-se essa excrescência para funcionários públicos como se fosse para aliviar o INSS.

    Ocorre que o salário de funcionário público é dinheiro público. Então o pior disso, é que criaram-se castas de apadrinhados com Cargos de Confiança nos estados com vistas a furtar esses valores. São salários altos. Podem escolher um valor alto para contribuir.

    Funciona assim: o funcionário escolhe o valor a depositar. Muito acima do teto do INSS.(?) O Estado deposita a outra parte igual ao escolhido.

    Quanto maior o salário mais o estado gasta.

    No final há um saque. Pois isso não é aposentadoria nem na China. E o funcionário muitas vezes é também beneficiário do INSS, no caso de contratados públicos e outras excrescências. Então se aposenta pelo velho e bom INSS. O único com quem ele conta. O resto é poupança com dinheiro do povo. Escândalo.

  11. Muito bem senhor Senador!!
    Trabalhadores e Servidores mais um vez no alvo para pagar a conta.

    QUEM VAI SER CHAMADO DE “COVEIRO DO SEPTUAGENÁRIO”, PARAFRASEANDO JOAQUIM NABUCO, SÓ QUE NO SÉCULO XXI DEZ ANOS A MAIS: O MINISTRO DA FAZENDA, O PRESIDENTE, OS DEPUTADOS, OS SENADORES, OS GOVERNADORES?

  12. Todo mundo metendo a mão. Por falar nisso a quantas anda o processo contra o Bernardão, marido da Gleise serviçal da Dilma, referente as propinas recebidas através dos créditos consignados dos servidores públicos?