Por Esmael Morais

Sob Michel Temer, Câmara e Senado chafurdam na lama da corrupção

Publicado em 31/05/2016

A situação mais grave — no sentido da urgência — envolve o senador Renan Calheiros e o interino Temer, pois Expedito Machado era o operador financeiro do PMDB a partir de Londres.

Segundo informações preliminares, a delação de Expedito, o Did, seria mais explosiva que as gravações que detonaram os ex-ministros Romero Jucá (PMDB-RR) e Fabiano Silveira, bem como comprometeram Renan e o ex-presidente José Sarney (PMDB-AP).

Cunha e Renan não são apenas sócios no planejamento do golpe, pois, eles o dirigem e o executam indicando ministros e afiliados a cargos-chave no governo provisório.