Por Esmael Morais

Senadores denunciam na Europa ‘golpe de Estado’ perpetrado no Brasil

Publicado em 14/05/2016

A comunidade internacional vem dizendo não reconhecer como legítimo o governo interino de Michel Temer (PMDB), que ascendeu ao poder com a deposição da presidente eleita Dilma Rousseff (PT).

Países da Alba (Venezuela, Cuba, Bolívia e Equador), da UNASUL e Mercosul também se manifestaram contra o golpe de Estado. O Uruguai, por exemplo, foi o último a declarar oficialmente que não reconhece a legitimidade Temer.

Uma moção de repúdio da Eurolat aumentaria ainda mais o isolamento do governo brasileiro golpista na América Latina e na União Europeia.

Internamente, no Brasil, o monopólio da mídia impõe censura acerca da resistência popular ao golpe. Manifestações anti-Temer não surgem nas televisões, rádios e jornais tradicionais.

Vem cabendo aos profissionais e veículos de imprensa estrangeiros o papel de informar o que realmente acontece no país, sobretudo os casos de repressão aos protestos como os que aconteceram ontem e anteontem em Porto Alegre, no Rio Grande do Sul.

Portanto, uma vergonha para os profissionais de imprensa brasileiros que corroboram, mesmo que tacitamente, com os barões da velha mídia golpista.