Por Esmael Morais

Quem defenderá Dilma da nova ofensiva golpista?

Publicado em 27/02/2016

A condução econômica da petista é conduzida hoje pelos oposicionistas, haja vista a retirada da obrigatoriedade da Petrobras na camada de pré-sal. Parece até uma “barganha” por um pouco mais de oxigênio.

As concessões de Dilma aos entreguistas do PSDB, além de não ganhar o apoio deles, deixam-na isolada na arena política das ruas. Ela ainda pode perder mais chão num momento de incertezas democráticas. Os trabalhadores de todas as centrais sindicais sentem-se “traídos” pela presidente da República que ajudaram reeleger em 2014.

É importante abrir aqui um parêntese. Em 2011, o Blog do Esmael, bem como a blogosfera progressista, já criticava a “faxina” da presidente Dilma Rousseff criada pelo marqueteiro João Santana. Para quem não se recorda, tratava-se de uma “bem bolada” entre governo e velha mídia. Em 20 de outubro de 2011, portanto, há quase cinco anos, o Blog do Esmael fizera a seguinte pergunta: “será que Dilma deixará ser governada pela mídia golpista e, logo mais, derrubada? Só a própria presidenta está habilitada a responder esta questão”. Fecha-se o parêntese.

Resumo da ópera: Dilma terá que escolher um lado se quiser atravessar esse Rubicão e deixar claro que bandeiras ela defende, pois, muito pior que a dureza da oposição, é sofrer crise de desconfiança entre os seus dentro da própria casa; uma das formas de recuperar-se seria vetando a entrega do pré-sal, por exemplo, e detonando outras pautas conservadoras que tramitam no Congresso Nacional.