Coluna do Marcelo Belinati: A velha prática política de aumentar a tarifa do ônibus na virada do ano

onibus

Download áudio

Marcelo Belinati*

Prática reincidente das velhas raposas políticas do rabo felpudo se repetem agora na virada do ano.

Governantes que tentam vestir um véu de modernidade, mas adotam as mesmas práticas políticas antigas e desgastadas que perduraram por anos a fio em nosso país.

Brasil afora vemos governos estaduais e municipais aumentando impostos, taxas e tarifas públicas.

Contam os governantes, adeptos da velha política, que as pessoas em sua maioria estão confraternizando com seus familiares, em viajem, de férias etc e deixem passar batido os aumentos abusivos. Contam que as pessoas se esquecerão…

Enganam-se redondamente, o mundo mudou, o Brasil também, as pessoas têm muito mais facilidade de acesso à informação e estão acompanhando com muito maior interesse decisões políticas que impactam diretamente na vida de todos os cidadãos e cidadãs.

Especificamente quanto aos aumentos da tarifa de transporte coletivo, afora a questão política já abordada, tenho comigo que ocorrem na mais absoluta contramão da história e da modernidade.

Em Londrina, a passagem de ônibus subiu para R$ 3,60. Isso incentiva o uso do carro em detrimento do  transporte coletivo. Aumenta os congestionamentos e acidentes de trânsito, prejudica o meio ambiente e a qualidade de vida das pessoas.

O Painel Intergovernamental de Mudanças Climáticas (IPCC), órgão das Nações Unidas, tem realizado inúmeras pesquisas que apontam que o aumento de temperatura na Terra está sendo causado pela ação direta do homem.

A queima de combustíveis fósseis está entre as principais atividades humanas que causam o aquecimento global e, consequentemente, as mudanças climáticas que têm impactado diretamente a vida do homem.

Retirar os veículos particulares de circulação e incentivar o uso de transporte coletivo para reduzir os níveis de emissões de poluentes na atmosfera, melhorar a qualidade do ar, reduzir o trânsito e os acidentes e facilitar a vida de pedestres e ciclistas, é medida necessária e urgente.

A exemplo de Madri, Atenas e Paris, importantes cidades do mundo estão caminhando nessa direção.

Infelizmente no Brasil, com a complacência e incentivos dos governantes, vivemos a cultura do carro.

Londrina é um exemplo. O prefeito da cidade anunciou um aumento da tarifa do transporte coletivo de R$ 3,25 para R$ 3,60.

No acumulado do início de 2015, o aumento foi de 22%, mais do que o dobro da inflação no período que deve chegar na casa de 10,7%.

Se analisarmos com mais profundidade, tomando por base o período da atual administração (2013-2015), a diferença seria mais gritante ainda: inflação de 21,84%, aumento da tarifa de 63,63%, quase 3 vezes mais que a inflação.

Por mais absurdo que pareça, é mais barato, utilizar o carro em Londrina do que o transporte coletivo.

Encontrei uma amiga injuriada com o aumento da passagem do ônibus. Segundo ela, que é profissional liberal, para se deslocar da sua casa para o trabalho e voltar com o seu carro, uma distância de 16 km, gasta dois litros de álcool. Com o preço do litro de álcool em Londrina a R$ 2,60, a minha amiga gasta em combustível o equivalente a R$ 5,20 por dia.

Se optasse pelo transporte coletivo, o que ajudaria e muito o meio ambiente e também o trânsito da cidade, gastaria R$ 7,20, ou seja, R$ 2,00 a mais todos os dias, R$ 48 no mês, sem contar o conforto e a comodidade que o carro oferece.

O aquecimento global, o crescimento acelerado dos centros urbanos, o aumento da frota de veículos são fatores que impõem aos gestores modernos uma nova forma de discutir mobilidade urbana.

Não é mais aceitável que decisões que impactam a vida dos cidadãos sejam tomadas com base na velha pratica de se trancar em um gabinete, fazendo contas em cima de uma planilha, como se tudo se resumisse a números.

No meu entendimento, contribuir para garantir o futuro do nosso planeta e a qualidade de vida nas nossas cidades tem que ser prioridade em qualquer ação de política pública.

Velhas práticas políticas em detrimento da modernidade e qualidade de vida dos cidadãos… Isso tem que acabar!!!

As pessoas só querem ser respeitadas…

*Marcelo Belinati, médico e advogado londrinense, é deputado federal pelo PP do Paraná. Escreve nas sextas-feiras sobre “Política Sem Corrupção”.

6 Comentários

Os comentários não representam a opinião do Blog do Esmael; a responsabilidade é do autor da mensagem, sujeito à legislação brasileira.

  1. Quem bancou muita campanha política em Mgá foi a desditosa FAMÍGLIA DO “lEITÃO vESGO”,AKELE EXCOMUNGADO QUE QUERIA TUNGAR EM 10 BILHÕES DE REAIS PARA MISERÁVEIS QUE SOBREVIVEM COM BOLSA ESCOLA E BOLSA FAMÍLIA, COISA QUE NÃO ALCANÇA 0,5 % DO pib! a tRANSPORTE cOLETICO cIDADE cANÇÃO TEM PAGO A CAMPANHA DE MUITOS POLÍTICOS MAIS IMUNDOS QUE PAU SDE GALINHEIRO, DENTRE AS QUAIS A FAMIGLIA DO “lEITÃO vESGO” !

  2. Então, “seu” Belinati, na cidade vizinha a sua, em Maringá, tem uma empresa de treansportes coletivos, a TCCC, do grupo Constantino (que mandou matar o cunhado e saiu ileso), donos da Gol transportes aéreos, que vem desde 1960 “explorando” esse serviço público na cidade, sem chance de ter ao mínimo uma correspondente no mercado. Monopólio total, com a anuência, a princípio da ARENA (direita), depois com Jairo Gianotto (psdb) que quebrou a cidade e roubou nada menos que 1 bilhão, e depois, mais precisamente há uns 10 anos atrás, renovaram por mais 40 anos o monopólio da empresa, sem sequer pensarem em fazer uma licitação ou algo que o valha, dentro da lei. Qual o partido? Certíssimo, o PP, ao qual Vossa Senhoria é filiado e se elegeu pela sigla. O prefeito? Silvio Barros, irmão do capo Barros (Ricardo, tesoureiro do PP nacional), marido da viche-governadora Aparecida. Aí lhe pergunto, essa é a nova política ou a velha política? A política das empresas que compram tudo e a todos? Quanto levaram nessa negociação direta com os Constantino tais pessoas? Não estou nem indagando se houve, mas, já estou perguntando o montante, tamanha a certeza de que rolou MUITO DINHEIRO nessa situação, e tudo dentro da mais completa legalidade porque a camara de vereadores de Maringá aprovou quase que em unanimidade tal “aditivo” contratual, com as raras exceções do PC do B e do PT (esses considerados os maiores ladrões do universo, quá, quá, quá). Aí não tem argumentação que se valha para desqualificar qualquer outra roubalheira que se possa justificar tais comentários. Sempre, também, lembrando, que tal família apoiou a sua contra o atual prefeito de Londrina e Vossa Senhoria é oposição ao atual prefeito de Londrina, Sr. Kiref (sei lá o nome do cara). Mas, contudo, Vossa Senhoria tem razão: NÃO É MAIS ACEITÁVEL (se é que algum dia já o foi) que tais situações continuem sem que ninguém faça nada, inclusive o MP, a PF (ou Polícia Civil – GAECO) e o Judiciário, que sempre mantém os contratos a revelia do interesse público. Coloque no bolo os pedágios mais caros do mundo do Paraná. E aí? Faremos o que a partir de agora? Ano novo, vida nova.

    • Kaká, em Londrina is donos da empresa de transporte coletivo sao os mesmos de Maringá: São os Constantinos. A empresa era do Prefeito Kireeff que vendeu pros Contantinos donos da GOL linhas aereas. Sabia disso?

      • Olha aí … a máfia. Obrigado pela informação. Foz do Iguaçu, que é menor que Maringá ou Londrina, tem 03 empresas de transporte coletivo. Cascavel eu não sei, mas a última vez que lá estive, vi no mínimo duas. Então, isso é fora da lei, o que acontece nessas duas cidades, contratos sem licitação (Lei 8.666), com pagamento de propina descarada a prefeitos e vereadores das duas cidades. Próxima renovação? 2050.

  3. A velha prática Romana, Pão e Circo, o povo não se atém ao que está de fato acontecendo e depois nem precisamos falar, agora seria diferente, pois todos fazem isso no geral, ninguém tem a coragem de falar aos mais abastados, vocês tem que ganhar menos o lucro em cima de pessoa humildes e simples que fazem eles ricos, precisam de tanto, longe de sermos hipócritas de tirar de quem tem e dar para quem não tem, na realidade o que ser quer é justiça o equilíbrio, somente isso, e olha que eles ganham muito, nunca dividem a conta, jogam para a população.

  4. Esse Kireeff é Lopes, da família que ezplorou o transporte tantos anos. Depois que venderam para o bilionário e explirador do Constantino, continuam com influência na empresa e quem sabe uma certa participação.