Retrato antidemocrático: Ao abraçar o golpe, PSDB despreza a História

do Brasil 247

Daqui a 50 anos, quando a foto de ontem, com FHC sentado no trono de sua vaidade, ladeado de seus seguidores, tiver se transformado apenas num retrato perdido no tempo, que imagem do PSDB terá ficado para a História? A do partido que implantou o Plano Real ou a de políticos frustrados que, após quatro derrotas em eleições presidenciais, decidiram abraçar um golpe contra a democracia brasileira, enfrentando a oposição de juristas, artistas, intelectuais, movimentos sociais e de 16 governadores? Entre a defesa da legalidade e a busca oportunista pelo poder (para Michel Temer, com o apoio de Eduardo Cunha, diga-se de passagem), tucanos optaram pela lata de lixo da História.

Daqui a 50 anos, quando a foto de ontem, com FHC sentado no trono de sua vaidade, ladeado de seus seguidores, tiver se transformado apenas num retrato perdido no tempo, que imagem do PSDB terá ficado para a História? A do partido que implantou o Plano Real ou a de políticos frustrados que, após quatro derrotas em eleições presidenciais, decidiram abraçar um golpe contra a democracia brasileira, enfrentando a oposição de juristas, artistas, intelectuais, movimentos sociais e de 16 governadores? Entre a defesa da legalidade e a busca oportunista pelo poder (para Michel Temer, com o apoio de Eduardo Cunha, diga-se de passagem), tucanos optaram pela lata de lixo da História.

O que restará do PSDB daqui a 50 anos, quando a imagem acima, registrada ontem, em Brasília, pelo fotógrafo Valter Campanato, tiver se transformado apenas num retrato amarelado, perdido no tempo?

Nela, o ex-presidente Fernando Henrique Cardoso, que já foi chamado de “príncipe dos sociólogos” brasileiros, senta no trono de sua vaidade e aparece ladeado por alguns políticos tucanos.

No canto direito de “Deus-pai”, quem demonstra maior intimidade é o senador Aécio Neves (PSDB-MG), hoje presidente nacional do PSDB. À esquerda, mais contidos, aparecem três governadores: Geraldo Ackmin, de São Paulo, Simão Jatene, do Pará, e Beto Richa, do Paraná. Todos hoje atravessam vales de impopularidade – Richa desde que sua polícia agrediu professores e Alckmin desde que sua PM agrediu estudantes.

No encontro de ontem, todos posaram para a História. Os tucanos, numa reunião da executiva nacional, fecharam apoio ao impeachment da presidente Dilma Rousseff. Um impeachment que é um golpe contra a democracia brasileira por uma razão muito simples. Embora seja um processo político, previsto na Constituição, o impeachment não prescinde de um crime de responsabilidade. E os tucanos são incapazes de apontar o crime cometido por Dilma. Falam em ‘pedaladas fiscais’, mas sabem que nem as contas de 2014 – de um mandato anterior, diga-se de passagem – nem as de 2015 foram julgadas pelo Congresso Nacional, que é quem tem o poder legal de dizer se houve ou não descumprimento da Lei de Responsabilidade Fiscal.

Assim, um partido que já foi considerado um celeiro de intelectuais, decidiu se colocar contra a democracia e contra as forças organizadas da sociedade brasileira. Em defesa de Dilma, já se posicionaram os principais juristas do País – incluindo nomes à esquerda, como Celso Bandeira de Mello, e à direita, como Claudio Lembo –, os artistas, os intelectuais, os reitores das principais universidades e entidades representativas, como a União Nacional dos Estudantes e a Ordem dos Advogados do Brasil. Além disso, num movimento liderado pelo governador Flávio Dino, do Maranhão, 16 governadores assumiram a defesa da legalidade.

Depois de quatro derrotas em eleições presidenciais, os tucanos, sob o comando de FHC e Aécio, optaram por um caminho: o da infâmia, da desonra e da ilegalidade. Mesmo que promovam seu golpe, em parceria com o deputado Eduardo Cunha (PMDB-RJ), acusado de cometer crimes em série, para entregar o poder ao vice-presidente Michel Temer, haverão de ser julgados pela História. E ela é sempre implacável com quem a despreza.

22 Comentários

Os comentários não representam a opinião do Blog do Esmael; a responsabilidade é do autor da mensagem, sujeito à legislação brasileira.

  1. One other issue is when you are in a pfofmnmd scenario where you will not have a co-signer then you may actually want to try to exhaust all of your financing options. You can find many grants and other scholarships or grants that will supply you with finances to assist with classes expenses. Many thanks for the post.

  2. I just want to say I am just newbie to blogs and really savored your blog. Almost certainly I’m going to bookmark your blog post . You amazingly have great well written articles. With thanks for sharing your blog site.

  3. O GOLPE JÁ ESTÁ DADO, NOSSA DEMOCRACIA RUIU. É SÓ QUESTÃO DE DIAS…..

  4. Esses calhor… deveria ter vergonha da postura que assumem perante o povo brasileiro …Um país como o nosso querido Brasil, não merece ter pessoas desse nível no governo …Eles teriam que desaparecer da política isso sim seria uma decisão certa por parte deles…será que não se dão conta de que são intragável.

    • Calma Viviane, não haverá impeachment, em 2018 essas coisas ruins desaparecerão, se não forem em cana antes.
      A Dilma vai pegar geral, por isso elas estão descontroladas!

  5. Essa história de chamar de “golpe” já tá ficando chata hein. Afinal o impeachment não é um processo legítimo a que todo governante pode submeter-se conforme expressa a Constituição?

    • Quem chama esse processo de golpe não é contra o impedimento, Claudinei. Mas tem que seguir os ritos e regimentos da câmara e da constituição e isso não está acontecendo, por via dos atropelos e manobras vis do Cunha. Do jeito que a oposição está fazendo, é golpe!

    • Então Claudinei, pergunta pro Beto Richa se ele pode submeter-se a um processo legítimo de impeachment?

  6. a foto acima me lembra muito a do dr. tancredo no hospital de base de brasília, em terminal agonia, ao lado da equipe médica

  7. Essa raiva do PSDB é uma estratégia eleitoral e eleitoreira petista. Não há nenhuma diferença significativa entre políticos dos dois partidos. A polarização interessa a ambos na minha opinião. Foto por foto, há algumas celebres, como o Lula fechando o acordo com o Maluf para eleger o incompetente Hadad, entre tantas outras. O fato é que essa gente leva uma vida boa, cheia de dinheiro e estão ca*&%do e andando para nós. O próprio Lulla, o Messias populista do PT, esta semana pediu aos pobres para tirarem a carne do cardápio….coisa ridícula, sempre no modelo Lulla de discurso. São todos farinha do mesmo saco e me admiro ao ver pessoas aparentemente inteligentes defendendo de forma fanática e cega um lado ou outro.

  8. traidores,simplesmente isso,se posam de salvadores da pátria,mas são oportunistas sem excrupulos,logo depois de sua derrota nas urnas,o Aecio falou na midia que haveria o impeachimant,fico pensando; qual será o próximo passo do Aécio na sua tresloucada jornada pra derrotar o Pt?,não duvido nada se ele
    aparecer de homem bomba

  9. De graça esses tucanos fazendo isso? Não creio.Enfrentar o julgamento da sociedade e de seus filhos e netos, e dos professores e intelectuais e dos jornais ingleses e blogs progressistas pelo resto de suas vidas por nada? Ai tem.

  10. Veja isso: Estudante fala pra Dilma o que Alckmin e Beto Richa deviam escutar
    https://www.youtube.com/watch?v=UiXwsNPO3CM

  11. Asquerosos! Lixo humano! Golpistas desprezíveis!

  12. Eu não sei quem escreveu o texto abaixo na foto, mas já começou errado. Não foi o psdb que implantou o plano Real, foi o PMDB de Itamar Franco, junto com vários ministros, entre eles, Ciro Gomes. O que o FHC fez foi quase detonar o Real, tentando manter paridade com o Dólar, endividando o Brasil a estratosfera, quebrando o Brasil mais de 03 vezes, e dilapidando o patrimônio brasileiro e nossas reservas minerais e empresas estratégicas para a nação. E ainda estão todos soltos. Essa questão de golpe, sempre deram, mas antes estavam por dentro, agora por fora. Canalhas, bandidos e corruptos sempre o foram, com a conivência do MP e do Judiciário. Não se salva nenhum. A exemplo, Dirceu com dois processos, duas prisões, mesmo sem uma vírgula de prova contra. Çerra, 17 processos, senador da república e nenhuma prisão.