Por Esmael Morais

Coluna do Requião Filho: A podridão na política do Paraná e do Brasil

Publicado em 08/10/2015

Como, por exemplo, não consigo compreender como pode um partido que é por seu estatuto de fundamentalismo religioso apoiar um outro partido pró-aborto em troca de cargos em uma estrutura governamental? Como pode uma bancada inteira trocar de posição após negociações a portas fechadas para indicar ministros? O agente político que se presta a tal papel não pode se declarar como moral, seus atos cheiram mal, estão eivados da podridão que envolve o meio, podridão esta repudiada por todos aqueles que verdadeiramente possuem moral.

Essa história, essa ladainha de que é assim que funciona o jogo e se não for assim não se sobrevive, precisa ser revista. A podridão e o seu mau cheiro não podem mais imperar na política. Esses políticos em compostagem devem ser extirpados dos partidos… de todos os partidos… independente para qual lado do espectro esquerda/direita estes se encontrem.

É com tristeza que trato o tema de hoje. Diria até que com certo asco… mas também escrevo com a esperança de mudarmos a conjuntura atual!

Que o podre seja extirpado da política e que novas posturas, verdadeiramente comprometidas com a população, tragam novos ares, agora com novos aromas, levando para longe o mal cheiro que vem dominando o cenário político!

*Requião Filho é advogado, deputado estadual pelo PMDB, vice-líder da oposição na Assembleia Legislativa do Paraná, especialista em políticas públicas.