Agentes penitenciários reforçam a greve geral contra Beto Richa

agentesOs agentes penitenciários do Paraná reforçam a greve dos professores e servidores do estado desde sábado (23). A paralisação é por tempo indeterminado. De acordo com o Sindicato dos Agentes Penitenciário do Paraná, 100% das unidades prisionais aderiram ao movimento. A reivindicação dos agentes é o cumprimento da data-base com 8,17% de reposição salarial, além de medidas efetivas que garantam a segurança dentro e fora das unidades.

Com a paralisação, os agentes se unem aos professores e servidores da rede pública de ensino e das universidades estaduais que completam quatro semanas em greve. Na segunda-feira (25) entram em greve os servidores das secretarias de Agricultura e Meio Ambiente, além dos servidores da parte administrativa das penitenciárias estaduais. Esse contingente de braços cruzados representa aproximadamente 80% do serviço público estadual.

A paralisação dos agentes penitenciários não influenciará no efetivo dentro das penitenciárias. No entanto, apenas as atividades consideradas essenciais são mantidas. Pátio de sol, visitas dos familiares aos presos, escola, trabalho e atendimento ao público foram suspensos.

Segundo Petruska Sviercoski, presidente do Sindarspen, “o Sistema Penitenciário está passando por uma grave crise que coloca em risco os trabalhadores, os presos e a sociedade. Portanto, diante da omissão do Estado em oferecer soluções efetivas para esse problema, os agentes tiveram que lançar mão da greve para pressionar o governo a atender as reivindicações da categoria e apresentar um plano de melhorias para o Sistema”.

Comentários encerrados.