Tese do Palácio Iguaçu: Quem não tem cão, caça com Ratinho Júnior

Publicado em 2 setembro, 2014
Compartilhe agora!

Com a promessa de herdar o espólio em 2018, Ratinho Júnior se transforma na tábua de salvação para a reeleição do governador Beto Richa; Palácio Iguaçu aposta todas as fichas no parlamentar do PSC para virar o jogo desfavorável na região metropolitana de Curitiba, onde prevalece a supremacia do senador Roberto Requião; esforço do tucanato é para vencer no primeiro turno, mas, estrategistas palacianos já observam cenários possíveis de 2016, em caso de derrota; ex-prefeito Luciano Ducci volta forte para o baralho eleitoral deste ano.
Com a promessa de herdar o espólio em 2018, Ratinho Júnior se transforma na tábua de salvação para a reeleição do governador Beto Richa; Palácio Iguaçu aposta todas as fichas no parlamentar do PSC para virar o jogo desfavorável na região metropolitana de Curitiba, onde prevalece a supremacia do senador Roberto Requião; esforço do tucanato é para vencer no primeiro turno, mas, estrategistas palacianos já observam cenários possíveis de 2016, em caso de derrota; ex-prefeito Luciano Ducci volta forte para o baralho eleitoral deste ano.
A escassez de votos na região metropolitana de Curitiba para a reeleição do governador Beto Richa (PSDB) fez o Palácio Iguaçu pagar um pedágio altíssimo para o deputado Ratinho Júnior (PSC). O tucanato teve de assumir, diante de testemunhas, que o filho do Ratão será herdeiro do trono em 2018, isto é, em caso de sucesso na empreitada de 5 de outubro.

O candidato do PSDB está atrás do marcador na Grande Curitiba. Portanto, não é à  toa que a campanha de Richa colou feito velcro no “Comandante Júnior”. Vira voto isso tudo? à‰ outra história, pois o que vale é a tentativa.

O Palácio Iguaçu tenta vencer a parada no primeiro turno. Vê na desidratação da senadora Gleisi Hoffmann (PT) uma grande oportunidade de liquidar a fatura eleitoral já. Entretanto, sem ufanismo, pois são maiores as chances de segundo turno contra o senador Roberto Requião (PMDB). Por isso os ataques de “cibertucanos” aumentaram consideravelmente nos últimos dias.

Paralelamente, o Palácio Iguaçu aposta na eleição do ex-prefeito de Curitiba Luciano Ducci (PSB) à  Câmara. O objetivo é fazê-lo um dos mais votados para transformá-lo em um bastião! na capital. Caso Richa não se reeleja, Ducci será um dos coordenadores de sua campanha !“ ou de Fernanda !“ à  sucessão do prefeito Gustavo Fruet (PDT) em 2016.

E Ratinho Júnior? Ora, fora ajustado apenas para essa empreitada. 2016 é outra história…

Compartilhe agora!

Comments are closed.